Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Cabeça Colossal Olmeca.

Começar uma viagem pelo México visitando o Museu Nacional de Antropologia faz toda diferença para quem pretende conhecer melhor esse país multicultural. Um importante acervo conta e preserva a história dos povos pré-hispânicos do México: astecas, maias, mexicas e zapotecas.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Pátio interno do Museu Nacional de Antropologia

O Museu Nacional de Antropologia é o maior museu do México com mais de 45 mil metros quadrados. O acervo permanente ocupa 22 salas e mais os jardins abertos. E mais 2 salas são para exposições temporárias. 


Então, se estiver com pressa não vá. E digo isso não só pelo seu tamanho físico, mas principalmente pelo valor do acervo. Sem contar que o prédio foi construído especialmente para abrigar o museu e merece atenção.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México

O acervo é dividido em arqueologia e etnologia. O térreo é dedicado a arqueologia e conta com importantes e interessantes artefatos. Entre tantos se destaca a Pedra do Sol usada pelos astecas como calendário e que ficou enterrada por séculos na praça principal da Cidade do México.

O piso superior é reservado para a etnologia. Fotos, objetos e cenários mostram com realismo, e o colorido característico do país, os costumes e manifestações culturais dos mexicanos. Também estão nesse setor as incríveis cabeças colossais.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Pedra do Sol exposta na Sala Mexica.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Reprodução de ruínas de cidades maias.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Detalhe de um dos cenários do setor de etnologia.

Como visitar o Museu Nacional de Antropologia

A exposição permanente está em ordem cronológica e por regiões. E para fazer a visita nessa ordem basta seguir a sequencia das salas. Na entrada é entregue uma planta com a numeração e informações das salas.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Estátua de Coatlicue e o disco de  Mictlantecuhtli, deuses Astecas.

As salas do térreo tem ligação com as salas do piso superior. Isto fez com que no início da visita eu ficasse subindo e descendo, perdendo tempo. Visite primeiro o térreo priorizando o setor de arqueologia, só depois suba para o setor de etnologia.

Sugiro que faça a visita completa, mas se não tiver tanto tempo disponível, priorize a sala de alguma região que faz parte do seu roteiro de viagem, assim você terá uma ideia do que irá encontrar pela frente. Um desses lugares é Teotihuacán e tem uma sala só dela e que não pode faltar na sua visita.

Eu teria dificuldade em escolher qual sala visitar. Mas outra sala que se destaca na arqueologia, e possivelmente é a mais visitada, é a de número 6 dedicada ao povo Mexica. Ela é a maior e reúne peças que impressionam pelo tamanho e importância. É nela que está a Pedra do Sol.

E não ignore o setor de etnologia, nele tem também salas bem interessantes.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Reprodução de templos de Teotihuacán na sala 4.
  
Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Sala Mexica. No primeiro plano a Pedra de Montezuma e ao fundo na parede a Pedra do Sol.

Tempo de visita

Dependendo do seu interesse pelo assunto e quiser fazer uma visita detalhada, poderá ficar o dia inteiro. De qualquer forma é bom separar pelo menos meio dia só para o museu. Eu fiquei 3h30min, mas algumas salas estavam fechadas.
 
Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México

Acredito que o dia escolhido também influencia no tempo da visita. Eu fui num sábado e estava tranquilo para visitar, havia um público, mas não grande. Já aos domingos a entrada é livre para os mexicanos e moradores locais, e aí o público aumenta muito. Acredito que assim precisará de mais tempo.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Sala Noroeste no setor de etnologia.

Horários e ingressos

>> Visitas de terça a domingo, das 9h às 19H.
>> Entrada para o público geral: 80 pesos. O ingresso pode ser adquirido pelo site. Grátis para maiores de 60 anos, menores de 13 anos, pessoas com deficiência, professores e alunos.
>> Entrada grátis aos domingos para o público nacional e estrangeiros residentes.
>> São oferecidas visitas guiadas gratuitas com horário marcados.

Como cheguei ao Museu

Eu estava hospedado no centro histórico da Cidade do México e o Museu fica em Chapultepec. Eu fui de Metrobús que é bem prático, a estação Antropologia da linha 7 fica próxima a entrada do museu. Se preferir ir de metrô, a estação é a  Auditório, mas fica mais distante que o Metrobús.

>> Veja aqui o meu roteiro de viagem.
>> Leia todos os posts sobre o México.

Bosque de Chapultepec

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México

Quando for ao Museu Nacional de Antropologia reserve o dia todo pois ele está localizado no Bosque de Chapultepec, um imenso parque urbano, o maior do México e com muitas atrações. Entre elas está o Castelo de Chapultepec que abriga outro museu importantíssimo que é o Museu Nacional de História. Fui no outono e o parque estava bonito, florido e colorido.

Em frente ao Museu Nacional de Antropologia têm barraquinhas de comidas e bebidas. Boa opção para quem quer algo mais rápido (dentro do museu tem restaurante).

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México


Era sábado e estava bem movimentado. Aconteciam apresentações de artistas de rua e de Danza de Voladores, um ritual criado há séculos para ter fim uma terrível seca no país. Um grupo de cinco homens (voladores) com roupa típica sobe até o topo de um mastro com mais de 30 metros. Já no alto um deles toca uma música enquanto os outros se jogam presos por uma corda e vão girando até chegar ao solo. É bem legal.

Esse ritual é Patrimônio Cultural Imaterial e acontecem apresentações em vários lugares turísticos e que ao final os Voladores passam a sacolinha.

Museu Nacional de Antropologia na Cidade do México
Danza de Voladores.
>> Veja aqui o meu roteiro de viagem.
>> Leia todos os posts sobre o México.

Postar um comentário

0 Comentários