Um dia no Parque Nacional Torres Del Paine

Torres del Paine

As paisagens na Patagônia são cinematográficas, e quando pensei que não me surpreenderia com mais nenhuma, conheci o Parque Nacional Torres Del Paine no Chile. Conheci a neve em Ushuaia, naveguei entre gelo e caminhei sobre um glaciar em El Calafate, poderia voltar para casa que estaria satisfeito, mas aí resolvi continuar a viagem e ainda bem que fiz isso porque Torres Del Paine tem paisagens grandiosas e impressionantes. E pelo conjunto da obra acho que foi o melhor parque. Bem que li que um roteiro pela Patagônia deve começar por Ushuaia e terminar em Torres Del Paine e não o inverso, eu concordo.

Torres del Paine
A paisagem já chama atenção na estrada. De longe é possível ver as torres, e a primeira parada para admirá-las acontece ainda fora do parque na Laguna Amarga.

Fiquei interessado em conhecer o parque, mas quando li ‘longas caminhadas’, ‘trekking’ e ‘circuito W’ vi logo que não servia pra mim e e pensei que teria que descartar mais um destino. Mas aí descobri que tem excursões organizadas de um dia com transporte e guia de turismo, tudo que eu precisava. O parque é imenso e se cometece a loucura de ir como um dos aventureiros que encontrei, eu não saberia nem que rumo tomar, fui de van e gostei. Todos os parques que conheci na Patagônia possibilitam a visita aos diferentes públicos, pode ser um trilheiro ou grupo de terceira idade que só pode (ou só quer) contemplar, e isso eu acho muito bom.

Torres del Paine
Lago Nordenskjold com as montanhas Cuernos del Paine ao fundo, já dentro do parque.

Para conhecer Torres Del Paine fiquei hospedado na cidade chilena de Puerto Natales, a mais próxima do parque. Fechei o passeio na própria pousada no dia anterior quando cheguei a cidade sem dificuldade, não sei se isso é normal ou se só foi possível por ser baixa temporada (abril).  A duração do passeio é de dia inteiro, portanto acordei cedo mais uma vez e sai ainda no escuro às 07:30 horas quando a van passou para me buscar. Havia opção de sair mais tarde com outra agência, mas preferi sair mais cedo para aproveitar o dia. A justificativa do guia para sair aquele horário foi para aproveitar a luz da manhã que é melhor para as fotos. Seja lá qual for o motivo, chegamos antes nos lugares quando eles ainda estavam vazios e saímos quando os outros grupos estavam chegando.

Torres del Paine
Salto grande que não é tão grande assim, mas proporciona bela paisagem. Aqui é feita uma pequena caminhada.

O grupo era pequeno só 07 pessoas mais o guia e o motorista, então foi rápida a busca nos hotéis e logo saímos em direção ao parque distante da cidade 115 km. Fizemos duas paradas antes de chegarmos ao parque, a primeira foi em uma cafeteria de beira de estrada que vende de tudo e ainda faz câmbio, a última oportunidade para quem saiu sem café comer, comprar o que esqueceu e providenciar peso chileno para pagar o ingresso do parque que só ser na moeda local. A outra parada aconteceu na Laguna Amarga, um dos melhores lugares para ver as torres que dão nome ao parque. Segundo o guia, é comum o tempo instável na região e não é todo dia que consegue avistar as torres, tivemos sorte pois o tempo estava limpo e pudemos ver com nitidez até mesmo da estrada durante a nossa ida. Só depois de algum tempo chegamos a portaria do Parque Nacional, e enquanto o guia fazia o pagamento dos ingressos tivemos mais alguns minutos para fotos e fazer uso do banheiro.

Torres del Paine
Parada no Lago Pehoe. As paisagens vão ficando cada vez mais surpreendentes.

O parque tem uma área de 181.000 hectares com rio, lago, cachoeiras e glaciar. Como o dia estava limpo, claro com muita luz e cor, pra onde olhava a paisagem era incrível. Dentro do parque aconteceram três paradas para contemplação antes do almoço que também foi em um lugar sensacional a beira de um lago, com opção de restaurante, lanchonete e área para lanche. Como não levei o meu, tive que encarar os preços salgados do restaurante, mas pelo menos a comida estava saborosa. Depois teve a última parada dentro do parque para uma caminhada passando por uma ponte pênsil, floresta, beira do lago Gley até chegar ao mirante onde se tem uma visão melhor do Glaciar Grey. Depois de conhecer o Perito Moreno, o Glaciar Grey não pareceu tão interessante pra mim, mas vale a pena ficar um tempinho ali e contemplar tudo aquilo. Tirando a parada do almoço, essa foi a mais demorada, mas se quiser ir aproveitar o mirante tem que ir logo assim que for liberado pois dependendo do seu ritimo, pode não dar tempo.

Torres del Paine
Lago Grey.

Já na estrada voltando a Puerto Natales fizemos a última parada na Cueva Del Milodón, uma caverna com vestígios de vida humana de muitos anos atrás e que tem na entrada uma escultura do Milodón, um mamífero duas vezes maior que o homem que habitava a região da Patagônia. Não tive interessante em conhecer e não fiz a visita que durou aproximadamente 20 minutos. Cheguei à cidade já no finalzinho do dia.

Torres del Paine

Não sei se foi porque o grupo que eu estava era pequeno, mas o passeio foi muito tranquilo sem correria e com tempo suficiente para aproveitar as paradas. Me atendeu perfeitamente, em um dia vi paisagens inesquecíveis e tento imaginar o que teria visto num passeio de mais dias caminhando dentro do parque.

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine

Torres del Paine


QUEM FAZ

Na cidade tem várias agencias. Eu fiz com a Tour Express que fica praticamente em frente ao principal supermercado. Vi preços com a agência, mas reservei com a pousada onde fiquei hospedado e assim paguei o passeio só no check-out.
Gostei dos serviços. Uma van boa com motorista e um guia tranquilo, atencioso com bastante informações.

Torres del Paine

QUANTO CUSTA

Valor do passeio com transporte e guia: $ 25.000 (pesos chilenos)
Ingresso do parque: $ 18.000
Se for visitar a Cueva Del Milodón, Ingresso: $ 4.000
*valores de abril de 2016.


VEJA AQUI O MEU ROTEIRO DE VIAGEM
Adquira aqui no blog um SEGURO VIAGEM e viaje tranquilo.

0 comentários :