Santa Leopoldina, história e belezas naturais no Espírito Santo

Santa Leopoldina

Este mês tive o prazer de participar da 4ª edição do Pocando no ES, evento que reúne blogueiros de viagens de vários lugares com o objetivo de promover o turismo do Espírito Santo. A cada edição é escolhida uma região e desta vez foi escolhida a Rota do Imigrante na região serrana. Visitamos “as três santas” : Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá e Santa Teresa. Cidades colonizadas por suíços, austríacos, pomeranos, alemães e Italianos.

O primeiro dia foi em Santa Leopoldina e visitar a cidade é voltar ao tempo com os seus casarões do início do século passado, e ao mesmo tempo se embrenhar na natureza para dar um mergulho em alguma das inúmeras cachoeiras no meio da mata atlântica.

S a n t a  L e o p o l d i n a  n a  h i s t ó r i a


Santa Leopoldina
Avenida principal de Santa Leopoldina.

Santa Leopoldina é uma dessas cidades espalhadas pelo Brasil que quando passamos ficamos imaginando o que aconteceu ali, sua história e suas estórias. Quem vê esta cidade com um pouco mais de 3.000 habitantes não imagina que ela já foi a terceira Colônia mais populosa de todo o império. Que foi o maior centro comercial do Espírito Santo, graças ao Rio Santa Maria que a partir da cidade é navegável até Vitória e então servia como porto onde os tropeiros chegavam do interior do país com mercadorias e dali em diante eram transportadas nas grandes canoas até a capital.

Santa Leopoldina
Interior de um comércio onde se vende de tudo.

O comércio movimentava a colônia e em suas ruas estreitas aconteciam grandes festas. As novidades chegavam primeiro ali, foi uma das primeiras cidades a ter energia elétrica. Teve o primeiro telefone e os primeiros carros do Estado, marcos da modernidade.

Com a modernidade foi preciso abrir estradas e ali construíram a primeira rodovia no Espírito Santo e depois surgiram outras  para desenvolver mais Santa Leopoldina, mas o que aconteceu foi o contrário. Com as estradas o rio que movimentava a cidade perdeu a sua importância. Já não precisavam mais dele para ir e vir, transportar mercadorias e portanto não precisavam mais ir a Santa Leopoldina.

Santa Leopoldina
Museu do Colono.

A cidade parou e desse tempo sobraram os casarões do centro. Se quiser voltar naquele tempo, ao chegar a Santa Leopoldina, pare o carro, desça e ande pela calçada estreita observando os sobrados. Nas suas fachadas estão as marcas dessa época com algum detalhe, iniciais das famílias ou o ano de construção. Ao passar pelo comércio quase vazio, tente imaginar a grande movimentação que havia na época com homens fazendo negociações. Na parte de cima moravam as famílias dos comerciantes e para saber como elas viviam não deixe de conhecer o Museu do Colono que com mobílias, objetos e obras de arte reproduz o ambiente da época. Aberto de quarta a domingo das 9 às 17horas.

Santa Leopoldina

Ao passar pela rua imagine que onde estão os carros estacionados ficavam os tropeiros e seus animais com grandes cestos. Vá até a ponte Paulo Antônio Médice construída onde era o porto e veja vestígios de como carregavam as canoas. Passe pela escadaria que recebeu o nome de Jair Amorim, filho da terra e compositor de sucessos cantados, entre outros, por Gal Costa e Cauby Peixoto. Veja na fachada do Fórum o nome de Graça Aranha, juiz e escritor que viveu na cidade onde escreveu o livro Canaã e que participou da Semana de Arte Moderna em 1922.

C a c h o e i r a s

Mas Santa Leopoldina não é só passado. A cidade está cercada por morros e matas com nascentes, rios que se transformam em cachoeiras e no entorno surgiram boas áreas de lazer atraindo muita gente, principalmente nos fins de semana. Então depois de conhecer o centro histórico aproveite a sua visita e vá relaxar em uma delas. Não esqueça de levar repelente.

Santa Leopoldina
Cachoeira véu de noiva.

Durante o Pocando no ES tive oportunidade de conhecer duas delas, mas devido a chuva não pude dar um mergulho. A primeira foi a Véu de Noiva que oferece uma excelente estrutura ao visitante com lojinha, bar e restaurante com uma comida deliciosa feita no fogão a lenha e no quilo (R$ 44,90). Lá você pode só passar o dia (R$ 10,00), acampar (R$ 30,00) ou se for igual a mim que prefere uma boa cama, pode se hospedar porque também tem pousada.

Para aproveitar a cachoeira é preciso fazer uma pequena trilha com leve inclinação. Vale muito a pena ir até ela, mas se bater a preguiça, fique nas piscinas naturais e toboáguas. A Véu de Noiva fica 10 km do centro seguindo pela estrada de chão Bernardino Monteiro.

Santa Leopoldina
Cachoeira Moxafongo.

O outro lugar que conheci com uma cachoeira maravilhosa foi o Eco Parque Moxafongo. A cachoeira também é linda e forma uns poços d’água que convidam a um mergulho. A estrutura é menor que a primeira, não tem hospedagem, mas o lugar é bonito e também tem restaurante no quilo (não conheci a comida). Oferece também passeios de quadriciclos e está localizado bem próximo ao centro da cidade com caminho sinalizado. Funciona nos finais de semana e feriados e para passar o dia tem um custo de R$ 10,00.
“Santa Leopoldina tem outras cachoeiras e outros atrativos, mas isto é assunto para outro post.

H o s p e d a g e m

Aproveite melhor o seu tempo e passe pelo menos uma noite num clima gostoso. Também durante o Pocando no ES conheci a Pousada Suiça, um lugar personalizado construído de forma sustentável com reaproveitamento de material. Simples, mas muito agradável. E se for recebido pelo Pedro, o proprietário, a boa conversa está garantida. A pousada está localiza na Rodovia Afonso Schwab, km 8, que vai a Santa Maria de Jetibá.

Santa Leopoldina


P i z z a

E se à noite, depois de tanta atividade, der fome (e tiver disposição para sair da pousada) a dica é a Pizzaria L’Incontro com pizzas premiadas em concursos internacionais.

C o m o  C h e g a r / C i r c u l a r

A cidade de Santa Leopoldina está aproximadamente 50km de Vitória. Para chegar lá de ônibus a opção é a viação Pretti, mas lá você irá precisar de carro para circular pois os atrativos naturais e muitas pousadas ficam fora do centro da cidade. Além de que são muitas informações e curiosidades, e para aproveitar melhor a sua visita e a logística contrate um Guia de Turismo. E a indicação é o Jefinho que é Guia credenciado pelo Ministério do Turismo, morador da cidade e nos acompanhou durante todo o evento.

Se for de carro pegue a Rodovia Estadual ES 080. Outra opção é já sair de Vitória com serviço de transporte e guiamento aproveitando assim melhor o seu tempo.

 

O Pocando no ES é uma realização do blog Capixaba na Estrada e conta com vários parceiros que oferecem hospedagem, alimentação, transporte e serviço de Guia de Turismo aos participantes. Os outros blogs que participaram desta  edição foram:
Aline ApprovesBagagem de MomóriasCaminha GenteDestinõesElielsonFuxicos de ViagensGuia CapixabaIdas e Vindas BlogMapa na MãoMariana ViajaPelo Mundo com ManuPor Aí Dicas de ViagemRoberta LeiteSão Paulo sem MesmiceTá Indo Pra OndeTire a bunda do sofáVem que te contoViagens CineVivi na Viagem





.

10 comentários :

  1. Respostas
    1. Realmente, é uma cidade que damos pouca atenção, mas nos surpreende a cada visita.

      Excluir
  2. Uma graça essa cidade. Adorei participar do Pocando e conhecer mais do ES!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Mariana que você gostou. Volte para conhecer mais lugares do ES.

      Excluir
  3. Texto maravilhoso e cheio de história, adorei. A história de Santa Leopoldina é realmente bem interessante, assim como a cidade. Uma delícia de passeio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Fábio. A história de Santa Leopoldina realmente nos transporta ao passado.
      Abraço!

      Excluir
  4. Adorei os cuidados e detalhes do seu post, Marcelo!

    ResponderExcluir
  5. Adorei poder conhecer esse cantinho tão especial do Espírito Santo. Fiquei encantada com tanta história e beleza dessa região. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A região muito interessante, com muitos atrativos. Que bom que gostou. Volte mais vezes.

      Excluir