Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro

Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro


Atualizado em setembro de 2019

Fui numa excursão ao Rio de Janeiro para passar o fim de semana com a programação voltada para o samba. No domingo o roteiro era ir a feijoada do Cacique de Ramos e depois ir ao Sambódromo assistir o ensaio técnico da Mangueira e da Grande Rio. Ainda no caminho fomos informados que não teria a feijoada no Cacique de Ramos, teria só uma roda de samba no final do dia. Então o grupo não iria pra lá e sim para outra escola de samba, no caso foi pra a feijoada do Salgueiro.  Já não gostei pois sempre quis ir a quadra do Cacique de Ramos, sempre ouvi falar deste lugar e quis fazer mais a viagem porque ele estava no roteiro.

Bom, tive que mudar os meus planos pois não queria ir ao Salgueiro. Resolvi então que iria no fim da tarde a quadra do Cacique de Ramos para a roda de samba, mesmo que sozinho. Faltava fazer alguma coisa durante o dia para ocupar o tempo até a hora de ir pra lá. Resolvi então voltar a Feira de São Cristóvão que tinha ido somente uma vez e gostei.


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro


A Feira de São Cristóvão

A feira de São Cristóvão também é chamada de “Feira dos Nordestinos”. Ela teve a sua origem na década de 40 com a ida dos retirantes nordestinos para o Rio de Janeiro para trabalhar na construção civil.  A chegada de parentes e amigos no Campo de São Cristóvão era marcada com festa para matar a saudade da terra com música e comidas típicas.

Em 2003 foi construído no local o pavilhão para abrigar a feira e recebeu o nome oficial de Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas.

Hoje a feira não reúne só os nordestinos, mas também cariocas e turistas que vão em busca da gastronomia, artesanato, produtos, cultura e sons do nordeste. São mais de 300.000 visitantes por mês.


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro


São centenas de lojas e diversos restaurantes distribuídos em dois corredores mais largos que receberam os nomes de avenidas e os mais estreitos de ruas. Uma avenida liga as duas entradas do pavilhão e a avenida transversal a ela liga os dois grandes palcos onde acontecem shows o tempo todo. No encontro das duas avenidas está a Praça dos Repentistas onde também pode acontecer pequenas apresentações. Há também espaços espalhados com outras apresentações.

E na Avenida Nordeste, que liga os dois palcos, que estão os maiores e mais estruturados (com ar condicionado) restaurantes. Mas não fique limitado nas avenidas, ande pelas ruas pois nelas têm opções de lojas e restaurantes mais baratos, e curiosidades.


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro


Funcionamento

De terça a quinta das 10h às 18h e a entrada é grátis. No final de semana ela funciona das 10h da sexta feira até 20h do domingo, e o ingresso custa R$ 5,00 (setembro/2019).


Como chegar de metrô

A estação mais próxima é a São Cristóvão, mas ela não fica uns 2km de distância. Você pode pegar um ônibus ou van na saída da estação, ou uber e taxi. Se resolver ir caminhando, passe por dentro da Quinta da Boa Vista e saia no portão que fica em frente a Av do Exército e siga por ela até o pavilhão. Da feira até a Glória no Sábado à tarde de Uber custou R$ 16,00 (setembro/2019).


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro



A minha visita em 2013

Fui pra a Feira de São Cristóvão e quando cheguei me arrependi de ter ido. O lugar estava abarrotado de gente! e fazia um calor arretado, mas já estava lá e entrei. Engraçado que da outra vez eu tinha gostado do lugar, tanto que queria voltar. Mas provavelmente eu não fui num domingo e com certeza não era janeiro.

Depois de andar um pouco, mas pouco mesmo pois não dava para ficar andando no calor, fui almoçar e ainda bem que lá tem restaurantes com ar condicionado, que bom! Comi carne de sol com macaxeira e baião de dois, o baião de dois não estava igual o que já comi no nordeste, mas a comida estava gostosa. Eu queria ficar ali no ar condicionado para sempre.


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro

Como estava cedo para ir a quadra do Cacique de Ramos, fiquei ali ainda andando e como o homem se adapta aos lugares, eu fui procurando coisas para me distrair (acho que os chopes do almoço ajudaram nisto). E até me diverti com os tipos que frequentam a feira, e olha que tem cada um. A feira é frequentada por cariocas, turistas brasileiros, gringos e é claro muitos nordestinos que vivem no Rio de Janeiro.

E antes que eu ficasse totalmente adaptado aquele calor e tumulto, sai dali e fui a quadra de Cacique de Ramos. Mas vou voltar um dia, não no verão e muito menos num domingo.


Feira de São Cristóvão no Rio de Janeiro
Um dos palcos principais


A minha visita em 2019

Voltei mais de 6 anos depois. Mas não era verão e nem em um domingo, foi num sábado nublado. O lugar estava ótimo, fresco e andei pela feira sem precisar entrar em restaurante com ar condicionado. Aliás almocei em um dos restaurante mais baratos que ficam nas ruelas e comi um baião de dois muito bom.

Cheguei por volta das 14h e, apesar da animação, o lugar não estava cheio e tumultuado. Inclusive muitas lojas estavam fechadas e eu pensei que fosse culpa da crise, mas em uma mercearia me informaram que era cedo ainda e muitas lojas abrem mais tarde quando o público aumenta. E foi exatamente isso que aconteceu. Com o tempo elas foram abrindo e foi chegando mais gente, os restaurantes foram ficando cheios.

Então fica a dica: vá em um dia nublado, com o tempo mais fresco. Circule pelas ruelas e becos. Assista as pessoas dançando forró, você vai se divertir. Se gostar, também dance. Vá a feira de São Cristóvão!!

0 comentários :