Aldeia temática Guarani, Etnoturismo no litoral de Aracruz

Aldeia temática Guarani em Aracruz

No Litoral Norte Capixaba estão as praias do município de Aracruz. Sou suspeito em falar porque sou de lá, mas é uma melhor que a outra. Leia nesse post sobre algumas delas. Mas além das praias o litoral aracruzense oferece aos visitantes outros atrativos como por exemplo as aldeias indígenas.

Aracruz é o único município do Estado com aldeias indígenas. Nelas estão o povo Guarani e Tupiniquim e não estão isoladas, pelo contrário, muitos índios, principalmente os mais jovens, participam do cotidiano dos bairros próximos, até por uma forma de sobrevivência. Com isso tiveram sua cultura muito influenciada e descaracterizada, mas ainda conseguem preservar tradições e costumes, principalmente os Guaranis.

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Quem frequenta o litoral de Aracruz já sabe que ali, depois que passa a ponte de Santa Cruz, estão algumas dessas aldeia. Elas são abertas a visitação, mas muita gente não visita, ou por não saberem dessa possibilidade, por falta de interesse mesmo ou por preconceito, é muito comum ouvir comentários nesse sentido. O máximo que fazem é comprar algum artesanato que à beira da rodovia.

Entre os que visitam, muitos acabam ficando decepcionados porque querem encontrar uma aldeia como as dos livros de história e encontram uma aldeia visualmente bem diferente com casas de alvenaria, carros, celular e vejam só, índios com roupas. Pra muita gente é como se eles não fossem mais índios por usarem as mesmas comodidades que nós. Ouço cada coisa que você não faz ideia.

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Há pouco tempo fiquei sabendo que havia uma aldeia temática reconstituindo uma tradicional aldeia Guarani e que estão recebendo visitantes. Quando soube não dei muito crédito, achei que fosse uma coisa sem autenticidade. Mas em outubro passado, durante o POCANDO NO ES, fui conhecer a aldeia e não esperava por muita coisa não. Quebrei a cara! Encontrei sim uma aldeia que é um cenário, mas os personagens são reais com uma história verdadeira e comovente. Não é um teatro montado para pegar turistas.

Visita a Aldeia Temática 

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Fomos recebidos pelo cacique Karai (ou Pedro em português) que já nos esperava num velho píer na margem do Rio Piraque-açu. Fui um dos primeiros a desembarcar da escuna e fui entrando como se já soubesse o que veria ali, cheio de pré-conceito. Assim que saímos do rio chegamos ao terreiro da aldeia temática de forma semicircular com pequenas ocas de palhas ao redor, uma pequena casa de taipa, uma cobertura simples onde foi servido o almoço e outra menor para venda do artesanato. Logo vi que ali não era igual as outras aldeias, gostei do que vi.

De modo simples e natural fomos muito bem recebidos. Os visitantes estimulados por curiosidades logo cercaram o cacique, mas devido ao horário não demoramos muito e fomos ao almoço. Eu estava na expectativa do que iríamos comer, mas o cardápio era conhecido de todos, arroz, feijão, macarrão, frango ensopado e salada, além de um prato deles com o nome de inhambi feito de massa e carne. Percebi que as pessoas hesitaram um pouco para começar então fui me servindo, inicialmente pela comida já conhecida e terminei comendo o inhambi. Uma comida simples, farta e muito saborosa. O almoço foi outra boa surpresa.

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Após o almoço nos reunimos no terreiro para o momento mais comovente pra mim e alguns colegas do grupo. Onde ouvimos do Cacique Karai e do seu filho Rodrigo sobre o povo e modo de ser Guarani, da relação deles com o lugar, com a terra e rio que estão dentro de uma reserva e das dificuldades que enfrentam com a preservação, das dificuldades que passam dentro das aldeias. Eles por exemplo precisam comprar água potável, pois a água do rio tem muito sal por estar próximo a boca da barra. Além dessas dificuldades, eles precisam conviver com o preconceito de muitos dos não índios que vivem ao redor das aldeias. Ouvindo tudo aquilo fui desarmando e percebendo que mesmo já visitado outras aldeias e sabendo um pouco da situação deles eu não tinha dimensão da luta deles.

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Depois da conversa ouvimos ainda uma declaração em Guarani da mãe do Cacique e assistimos danças e cânticos também em Guarani. Não entendi nada que falaram, mas foi fácil perceber que era um lamento sobre tudo aquilo que foi ouvimos antes. Não foi difícil ver a emoção em alguns colegas.

Faz parte da visita na aldeia temática trilhas pela mata, mas não tínhamos tempo suficiente. O pouco tempo restante aproveitamos para conversar mais com eles e conhecer o artesanato, mas em nenhum momento fomos forçados e incomodados para comprar alguma coisa. A programação na aldeia aconteceu muito naturalmente, nada de teatrinho ensaiado como acontece em alguns lugares. A experiência valeu a pena, vá desarmado de pré-conceitos e aproveite.

Aldeia Temática “Tekoá Mirim”

Aldeia temática Guarani em Aracruz

A aldeia Guarani Piraqueaçu foi procurada para servir de locação de filmes, mas precisava de um cenário que resgatasse uma uma autêntica aldeia indígena. Foi então que os índios construíram em 2010 um Tekoá que em Guarani significa lugar em meio a mata com caça, água, peixe onde eles podem viver o autentico modo do povo Guarani. Surgiu então a Aldeia Temática “Tekoá Mirim” à beira do Rio Piraque-açu, com ocas de palha e em forma circular com um terreiro ao meio.

A aldeia temática serviu de cenário para outras gravações e depois os índios mantiveram o cenário para receber turistas e visitante desenvolvendo o Etnoturismo, seguimento turístico onde os visitantes conhecem no local sobre grupos étnicos, como nas aldeias indígenas. E com o turismo eles conseguem renda para ajudar no sustento, já que a visita é cobrada.

O turismo na aldeia fica por conta do cacique Karai e sua família. Todos ajudam, na manutenção do lugar, preservação, acompanhamento dos visitantes, danças, comida e artesanato. A mãe dele também ajuda na acolhida. O objetivo deles é mostrar sobre o povo Guarani, seu modo de ser, tradições e costumes e forma de pensar.

A aldeia temática é só para receber visitantes, os índios moram em outro local próximo dali, mas dentro da Aldeia Piraqueaçu.

IMPORTANTE: O que falta na aldeia é água potável (não tem nem para vender) e banheiros. Eles não conseguiram fazer ainda.

Aldeia temática Guarani em Aracruz

Atividades na aldeia:

* Trilhas leves na mata (300m aproximadamente);
* Passeio de caiaque no Rio Piraque-açu;
* Assistir apresentações de danças e música;
* Roda de conversa como o Cacique;
* Pintura corporal;
* Compra de artesanato;
* Almoço com comida típica. Tem também a opção de nosso arroz e feijão.

    O que levar:

    • * Roupas adequadas, lembre-se que você vai para a mata e que tem um rio ótimo para um mergulho;
    • * Mesmo que almoce lá leve um lanche, barrinha de cereal, fruta…. No local não tem lanchonete;
    • * Água. Não tem água potável na aldeia, os índios precisam comprar a deles;
    • * Protetor e repelente;
    • * Chapéu ou boné.

      Não custa nada lembrar: leve sacolas para trazer o seu lixo de volta.

      Aldeia temática Guarani em Aracruz

      Como Visitar:

      - A aldeia temática fica aproximadamente 80km de Vitória em Aracruz pela rodovia litorânea ES 010 à esquerda depois da ponte de Santa Cruz.
      - Para visitar é preciso primeiro fazer contato com o Cacique Karai (ou Pedro) pelo telefone 27 99606-2754, ou com Rodrigo pelo telefone 27 99959-6939. Tem também a página no Facebook.
      - A visita acontece todos os dias das 08h às 16 horas e tem um custo que depende do que será feito, tem que combinar quando fizer o contato.
      - O tempo da visita vai depender do que será feito e ela pode ser combinada com outros passeios na região, nesse caso posso organizar roteiros e pacotes com ou sem transporte (27 99506-9764 –Whatsapp / 981340828). - Na aldeia eles só agendam a visita deles.

      0 comentários :