Santo Amaro, o melhor dos Lençóis Maranhenses


Lençóis Maranhenses

No segundo dia em Santo Amaro do Maranhão programamos um passeio maior no Parque dos Lençóis Maranhenses, queríamos aproveitar o dia. A Marineide, dona da pousada, então chamou o Nilson para atender a gente. Eu particularmente queria ir até a Queimada dos Brito, uma pequena comunidade e a mais tradicional de todas que vive na imensidão do parque. Mas não foi possível, era longe e já não pode ir lá de carro – somente os nativos da comunidade.


Lençóis Maranhenses

E como em Santo Amaro não tem (ou pelo menos não tinha) passeios formatados, a programação foi montada conforme o interesse, o que poderia ser feito e o tempo disponível. E naquele dia o Brasil jogava com o México pela copa do mundo. Não que eu fizesse questão mas só era eu que não fazia.

Acabamos combinando um passeio pelas grandes lagoas Andorinhas, Murici e da comunidade Betânia, um antigo vilarejo no Parque. Mas havia chovido tanto no semestre anterior e o que não faltavam eram grandes lagoas por todo Parque. O valor do passeio ficou por R$ 270,00 para ser dividido por mim, Zé Maria e Miriam, meus companheiros nos passeios em Santo Amaro.


Lençóis Maranhenses

Embarcamos na Hilux e seguimos para o Parque, no caminho porém paramos para o embarque do guia, que era um já conhecido nosso o Carlos Celso que nos acompanhou no dia anterior (leia aqui). É exigência do Parque que todo passeio seja feito acompanhado por um condutor, dentro do parque não há sinalização.

Se no dia anterior eu fiquei impressionado com o que vi só ali no início do Parque, imagine como fiquei quando entrei mais ainda e fui vendo grandes lagoas e aquela imensidão formada por dunas. Paramos em várias lagoas e desfrutamos tudo com muita tranquilidade. O Nilson levou cadeiras, sombrinhas e até macarrão para podermos aproveitar melhor, e nos deixou muito à vontade.


Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses




Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses


Na comunidade de Betânia aproveitamos para almoçar. Dentro do Parque não tem restaurantes, então as comunidades tradicionais servem de apoio para os visitantes. Mas é preciso agendar antes, por isso o Nilson telefonou antes de sair de Santo Amaro.

As opções costumam ser cabrito e/ou galinha pois é o que criam no quintal. Nós almoçamos na casa do ‘seu’ Francisco, um senhor simples e  conversador, nesse dia o que tinha para almoço era galinha caipira acompanhada de arroz, feijão e macarrão. A comida estava muito gostosa mas achei cara (R$ 80,00). Eles não tem muito traquejo para atender mas estão aumentando o espaço de refeição.


Lençóis Maranhenses


O carro não chega a Comunidade de Betânia, assim é preciso andar até o Rio Alegre e depois seguir de canoa (R$ 2,00) até as casas da comunidade. Mas acaba sendo um passeio a parte. E não precisa ir a Betânia só se for almoçar não, pode ir para aproveitar do lugar, rio e lagoas.


Lençóis Maranhenses

Crianças de Betânia brincando.


Lençóis Maranhenses


Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses



Lençóis Maranhenses


Em Santo Amaro foi onde eu gostei mais dos Lençóis em toda viagem. As dificuldades de acesso faz com que o lugar não seja invadido e tumultuado (não havia ninguém praticamente), e o cenário era fantástico.


Leia aqui o meu roteiro de viagem pelo Maranhão

0 comentários :