O que fazer em Anchieta, cidade do litoral sul Capixaba (Roteiro de um dia)

Praia de Iriri, Anchieta ES

 

A sugestão do roteiro a seguir é para 01 dia, então vou logo avisando para quem gosta de praia que um dia é pouco. Anchieta possui praias maravilhosas onde é possível passar dias. Mas se você não tem muito tempo e quer conciliar praia com passeio de barco no rio e ainda conhecer um monumento histórico do século XVI em um dia só, isto é possível.

 

A cidade de Anchieta está no litoral sul do Espírito Santo a 82 km de Vitória. O município com uma população que não passa de 30 mil habitantes foi abençoado com um litoral de belas praias distribuídas em balneários que ficam próximos da sede que também tem praia e muitas histórias para contar.

 

Praia de Iriri, Anchieta ES

Praia da Costa Azul

 

Comece o dia cedo e vá direto ao balneário de Iriri a 5 km ao sul de Anchieta, lá passe a manhã toda em uma das praias ou se preferir vá em várias, já que o pequeno balneário possui várias e ótimas praias, e são todas próximas. Quem chega a Iriri pela Rodovia tem a impressão de estar entrando em uma pequena cidade com ruas calçadas e organizadas e construções características do interior. É que o balneário é um tradicional refúgio de moradores do interior do estado e de Minas Gerais durante o verão e feriados . Mas é só se aproximar das praias que logo você verá o colorido do litoral com um mar lindo e sentirá o clima de praia.

 

Nas praias você encontrará comida e bebida, mas na hora que bater aquela fome procure um bom restaurante e almoce bem. Uma ótima opção é o Restaurante Recanto da Pedra que funciona na pousada do mesmo nome na Praia da Costa Azul, em um lugar muito agradável lá no cantinho esquerdo sobre uma pedra (daí o nome) com uma bela vista da praia. Quer uma sugestão? peça uma mesa no deck que fica praticamente sobre o mar. À frente do restaurante está o jovem Cheff André Cicilioti que é de Iriri, mas já passou por cozinhas famosas pelo Brasil.

 

 

Restaurante Recanto da Pedra

Restaurante Recanto da Pedra. Foto cedida gentilmente pela Giovana Duarte do blog guiacapixaba.

j

j

Depois de almoçar muito bem, siga para a sede do Município e conheça uma construção Jesuítica do Século XVI onde viveu o Padre José de Anchieta, hoje canonizado santo, jesuíta que veio para o Brasil, passou pelo Espírito Santo antes de seguir para a Capitania de São Paulo e mais tarde retornou à cidade que escolheu para viver os últimos anos de sua vida.

 

O Monumento Tombado é o Santuário Nacional São José de Anchieta dedicado ao santo e está localizado bem no centro da cidade no alto de um morro como era de costume as construções jesuíticas. Lá se tem uma boa visão da cidade e da praia central, na frente da edificação há um quadrado e uma arvore com imensa copa proporcionando uma ótima sobra. O Santuário é composto pela Igreja, o Museu localizado onde antes abrigava a residência dos religiosos, e a cela onde viveu o Padre com uma relíquia, um pedaço da tíbia de José de Anchieta. A visita ao museu é de Terça a domingo de 8 às 17h, e tem um custo de R$ 5,00. . Leia mais sobre o Santuário aqui.

 

 

Santuário Nacional São José de Anchieta

Santuário Nacional São José de Anchieta

 

A cidade já foi chamada de Rerigtiba, Benevente e posteriormente de Anchieta em homenagem ao religioso que fundou e viveu na cidade. Fundada na segunda metade do século XVI possui outras construções históricas além do Santuário. Atrás da igreja tem uma escadaria que leva ao centro velho da cidade, ande com calma pelas ruas estreitas, observe as fachadas do casario e chegue até o porto. Leia mais sobre Anchieta aqui.

 

No porto contrate o serviço de um pescador e termine o seu dia com um passeio de barco pelo Rio Benevente, Vale muito a pena. Você irá relaxar navegando nas águas calmas do rio entre uma paisagem de mangue até chegar a margem do Rio Salinas onde numa curta caminhada na mata irá conhecer as colunas, que segundo alguns, são de uma antiga salina clandestina. No retorno, conforme o horário, poderá apreciar o Pôr do Sol. O passeio tem um custo de R$ 180,00 por barco com capacidade de até 10 pessoas. Um dos contato é o pescador Carlinhos (27) 99881-1252

 

Visual do passeio de barco pelo Rio benevente

Visual do passeio de barco pelo Rio Benevente

 

 

ONDE FICAR

Anchieta pode render outros bons passeios, como coloquei no início deste post, para quem gosta de praia vai poder escolher. Tem a Praia de Ubú (leia aqui), Paraty, Castelhanos,… Mas Anchieta não tem só praias bonitas não, o município também tem atrativos para quem gosta do agroturismo e queira conhecer propriedades rurais (leia aqui). Mas para isto 01 dia é pouco e aí é preciso pernoitar no município, e a sugestão é retornar a Iriri e ter uma boa noite de sono no Hotel Espadarte. A localização é privilegiada.

 

 

Hotel Espadarte em Iriri

Hotel Espadarte. Foto divulgação de Dirceu Cetto

ONDE COMER

Uma ótima opção é o Restaurante Recanto da Pedra da pousada do mesmo nome na Praia da Costa Azul. Fica no cantinho esquerdo sobre uma pedra (daí o nome) com uma bela vista da praia. Quer uma sugestão? peça uma mesa no deck que fica praticamente sobre o mar. À frente do restaurante está o jovem Cheff André Cicilioti que é de Iriri, mas já passou por cozinhas famosas pelo Brasil. Rua Danilo Monteiro de Castro nº 16 - Iriri – Anchieta. De segunda a segunda, das 11h às 23h. Contato: (28) 3534-1599

 

COMO CHEGAR

A cidade de Anchieta está localizada no sul do Espírito Santo a cerca de 82 quilômetros da capital Vitória, interligada pela BR 101 e a ES 060 (a rodovia do sol), as duas rodovias têm pedágio. A viagem é mais agradável pelo litoral ES 060, passando por Vila Velha e Guarapari. O aeroporto mais próximo fica em Vitória, onde saem ônibus para Guarapari (veja aqui) e lá sai para Anchieta. Da rodoviária de Vitória saem ônibus com vários horários.

 

**** No início de abril o guia&turismo participou da segunda edição do POCANDO NO ES, um encontro de blogueiros de viagem organizado pelo blog Capixaba na Estrada. O roteiro foi o litoral sul e na ocasião tivemos a oportunidade de conhecer o Hotel Espardarte onde almoçamos pratos especialmente preparados pelo Chef Gilson Surrage, e o Restaurante Recanto da Pedra onde foi servido a tradicional e maravilhosa torta capixaba.

Leia mais sobre Anchieta aqui

 

 

ROTEIRO DE VIAGEM PELO PERU

Valle del Coca - Peru

Você vai encontrar vários blogs com roteiros de viagem pelo Peru. É um destino muito procurado por brasileiros por não ser caro, por ser próximo e porque tem atrativos que realmente valem a pena como Machu Picchu. E nós brasileiros viajamos para uma região do país o que faz com que os roteiros sejam parecidos, mas de qualquer forma eles (os roteiros) sempre nos ajudam na hora de montarmos a nossa viagem. Eu viajei ao país ano passado (sim, eu sei que demorei para escrever) e peguei como base o roteiro da Patrícia do blog Turomaquia, e à medida que fui pesquisando fiz algumas alterações para montar o meu roteiro.

QUANDO IR

A melhor época para visitar o país indo até Cusco e região, como fiz, é entre abril e setembro que é o inverno e não chove, portanto se você está pensando em conhecer o país e não programou nada, ainda dá tempo. Eu viajei no finalzinho de agosto e não peguei chuva e nem senti tanto frio. Na verdade senti frio na sombra, mas era só ir para o sol que a temperatura era boa.

ROTEIRO

Passei 16 dias no pais e conheci muita coisa sem correria, fui desde a capital a Machu Picchu passando por deserto, litoral, vales e Lago Titicaca. veja como foi o meu roteiro:

1º dia: Vitória -  Lima
O primeiro dia foi só de viagem chegando já à noite e não fiz nada, só dormi.

Lima - Peru
Escultura ‘O Beijo’ na Praça do Amor em Miraflores, Lima


2º dia: Lima
Reservei 03 dias inteiros na capital peruana e não me arrependi. Tive dúvidas pois vi muita gente falando que não vareia a pena, mas eu gostei de Lima, a cidade tem um trânsito caótico com carros velhos, mas tem muita coisa para conhecer. O primeiro dias de passeio na cidade dediquei ao centro histórico e fui surpreendido com uma grande festa que acontecia devido um feriado nacional. Vi uma cidade movimentada, colorida e com música.

3º dia: Lima
Vivi a experiência de andar nos ônibus velhos e coloridos pelas ruas da cidade e assim conheci alguns bairros. Mas o melhor que conheci nesse dia foi o Museu Larco, um museu arqueológico incrível instalado em um lugar lindo, e terminei o dia já à noite no circuito das águas, outro lugar que vale a pena conhecer.

4º dia: Lima
Logo de manhã fui conhecer o Barranco, um distrito de Lima. Fui pensando em conhecer só mais um bairro, mas o lugar é gostoso, charmoso, parece uma cidadezinha do interior, acabei ficando ali a manhã toda e almoçando por lá. Após o almoço continuei o passeio margeando o pacífico que é visto do alto de um paredão de falésias, e cheguei ao Larcomar, um shopping pendurado de frente para o oceano já no bairro Miraflores. Segui margeando o barranco que tem vários recantos e quiosques onde é possível tomar um café ou fazer um lanche, terminei o dia no Parque Del Amor onde tem a escultura “O beijo” do artista peruano Victor Delfin.

Deserto de Huacachina - Peru
Deserto de Huacachina – Peru


5º dia: Lima – Ica
Foi o dia de seguir viagem e fui de ônibus até a cidade de Ica. Inicialmente a cidade não estava no meu roteiro e acabou entrando devido a curiosidade de conhecer Huacachina, uma vila ao redor de um lago no meio do deserto. Mas a principal atração é o passeio nas dunas do deserto, que fiz neste mesmo dia à tarde.

6º dia: Ica – passeios – Arequipa
Dormi um noite em Huacachina e assim pude conhecer mais dois atrativos na região. Logo após o café da manhã saí para um passeio de dia todo conhecendo as Ilhas Ballestas e Reserva Nacional de Paracas. À noite embarquei num ônibus rumo a Arequipa.

Reserva Nacional de Parracas
Reserva Nacional de Parracas


7º dia: Arequipa
Cheguei cedo a cidade, e para minha surpresa cheguei bem descansado. Resisti em fazer esta viagem de ônibus pois não costumo dormir e acabo não aproveitando o dia seguinte, mas a viagem foi boa e o ônibus confortável e assim dormi o tempo todo. Arequipa é uma cidade bonita (pelo menos a região central) com muitos lugares para conhecer e passei o dia todo na rua. Visitei o Mercado San Camilo e aproveitei para comprar as minhas folhas de coca, e conheci alguns atrativos como a imponente Catedral na Plaza de Armas, o Museu dos Santuários Andinos onde está a múmia Juanita, e Mosteiro de Santa Catalina.

8º dia: Arequipa – Valle Del Colca
Dormi uma noite em Arequipa e de lá saí para o passeio no Valle Del Coca, um destino peruano também muito procurado. Fiquei na dúvida se faria este passeio devido a altitude, 4.900 metros. Ainda bem que fui, senti um pouco de dor de cabeça, mas valeu a pena pois a paisagem compensa e consegui o condor, uma das atrações do passeio. Nesse dia acontecem algumas paradas de observação e chega-se a cidade de Chivay onde acontece o pernoite.

Valle do Condor - Peru
O voo do Condor no Valle del Coca


9º dia: Valle Del Colca – Puno
O dia começa cedo para continuar o passeio pelo vale parando em alguns lugarejos até chegar no mirante onde poderemos avistar o condor.  Retorna a Chivay para almoço e depois os grupos retornam a Arequipa ou seguem para Puno chegando à noite. Foi o que eu fiz.

10º dia: Puno
Em Puno fiz o passeio pelo lago Titicaca conhecendo a Ilha Uros, uma das ilhas flutuantes e também a Taquile, outra ilha, mas não flutuante. Na última foi servido o almoço e onde tive a melhor vista do grande lago.

Ilha flutuante de Uros no Lago Titica
Ilha flutuante de Uros no Lago Titica


11º dia: Puno – Cusco
Dia de seguir para o principal destino do roteiro. Aí tive muitas dúvidas de como ir. Tem a opção aérea saindo de Juliaca, uma cidade próxima, tem a opção de ir de trem de luxo que era a que eu queria mas o preço não permitiu, e tem algumas opções de ônibus: ônibus noturno, ônibus durante o dia de linha comum e de turismo com guia e paradas para visitação. Diante de não poder ir de trem escolhi o ônibus de turismo e gostei. Saí às 7 horas de Puno e cheguei a Cusco às 17 horas.

12º dia: Cusco
Quanto tempo ficar em Cusco (com Machu Picchu), esta foi uma das dúvidas na hora do montar o roteiro. Muitos ficam só o tempo suficiente para fazer um tour, conhecer algum sítio histórico e ir a Machu Picchu. Optei por ficar 05 dias inteiros e mais um pouco, e não me arrependi. A cidade é vibrante, tem gente circulando, tem coisa pra fazer e ver, então é válido ter um tempo para andar atoa. No primeiro dia fiz o City Tour tradicional.

Peru
Uma das paradas do ônibus de turismo que sai de Puno para Cusco


13º dia Cusco
O dia foi dedicado ao Tour de dia inteiro conhecendo o intrigante sítio inca Maras e a surpreendente salinera Moray. É um passeio de dia inteiro.

14º dia: Cusco
Nesse dia voltei ao Vale Sagrado conhecendo Ollantaytambo e de lá embarcando para Águas Calientes para finalmente conhecer Machu Picchu.

15º dia: Cusco
Dia dedicado a Machu Picchu e retorno a Cusco.

Machu Picchu - Peru
Machu Picchu
J
J
16º dia: Cusco
Dia para bater perna pela cidade conhecendo bairros como o San Brás, ficar atoa na Plaza de Armas, Mercado Central San Pedro.

17º dia: Cusco – Brasil (Vitória)
Devido o horário do meu voo tive mais um tempo para conhecer a cidade, e como já tinha visto tudo que queria fiquei mias a vontade e acabei conhecendo um lugar extra: o Museu Machu Picchu que só fiquei sabendo da sua existência durante o tour na cidade sagrada, e gostei muito de tido a oportunidade de conhecer. Valeu muito a pena.

Plaza de Armas de Cusco
Plaza de Armas de Cusco
J
J

TRANSPORTE

Usei avião só para chegar e sair do país. Trechos internos foram realizados por ônibus, Peru tem empresas boas com a Cruz Del Sur que utilizei para ir de Lima a Ica e de Ica para Arequipa. A viagem é tranquila e comprei as passagens aqui no Brasil pelo site. De Puno a Cusco fui de ônibus de turismo, tem várias que fazem este trajeto e comprei a passagem no hotel em Puno.

Para ir a Águas Calientes tem que ser de trem ou por trilhas que levam dias. Claro que fui de trem. Fui com Peru Rail, mas também tem a opção da empresa Inca Rail.

HOSPEDAGEM

Utilizei Hotéis e Albergues.

ALIMENTAÇÃO

O Peru tem comida gostosa e preços bons. Tem restaurantes mais refinados, mas também em muitos cidades encontra o Menú Econômico por 10 Soles.

Inca Kola
Inca Kola, o refrigerante do Peru. Há quem goste, eu não. Empanada de carne, eu gosto muito


DINHEIRO

A moeda do Peru é o Novo Sol também conhecida como Soles. Levei Real e Dólares, mas acabei usando mais Real pois não tive problema para trocar e o valor estava praticamente 1 X 1, diferença pouca de 2, 3 centavos a favor do soles. Tive facilidade pra trocar tanto em Lima como em Cusco.

DOCUMENTOS

Viajei com o passaporte, mas também é permitido ir ao Peru somente com a carteira de identidade em bom estado de conservação.

SEGURO VIAGEM

Não é obrigatório, mas é recomendável ter um seguro. Eu viajei com o MONDIAL ASSISTENCE, que você pode adquirir aqui no blog.

Agora é aguardar os posts com os detalhes deste roteiro.

5 Lugares no Brasil que eu voltaria


São tantos lugares para eu conhecer ainda que quando tenho oportunidade de viajar vou a um novo destino, mas sem sombra de dúvidas vários lugares merecem um retorno. Alguns são tão marcantes que vale a pena voltar e não precisa fazer nada diferente, basta ir nos mesmos lugares ou experimentar os mesmos sabores e se possível encontrar as pessoas que fizeram com a sua viagem fosse tão especial. Já em outros destinos tem tanta coisa boa, que o que vimos motiva uma voltar para conhecer mais do lugar e viver novas experiências.

Claro que eu também tenho vontade de voltar a muitos lugares, mas fazer uma lista com cinco deles para participar da blogagem coletiva cujo tema é Top5 lugares que você voltaria não foi uma tarefa fácil. Para simplificar a minha vida fiquei só nos destinos Brasileiros que eu voltaria facilmente, não necessariamente na ordem colocada. Veja no final do post as dicas #5topdestinos dos outros blogs participantes.


1º - Bonito, Mato Grosso do sul
Costumo falar que Bonito é a cidade que eu moraria facilmente para exercer a minha profissão de guia de turismo numa boa. Imagina receber uma ordem de serviço informando que tenho que fazer flutuação cercado de peixes num aquário natural!

Estive em Bonito em 2010 e prometi voltar, mas isso nunca aconteceu. Na época fiquei pouco tempo e fiz somente quatro passeios, todos maravilhosos: Fazenda Água Viva com trilhas, cachoeiras, piscinas naturais, grutas submersas e tirolesa; Flutuação num Aquário Natural, conheci a Gruta do Lago Azul e desci corredeiras num passeio de bote no Rio Formoso. O lugar oferece vários outros passeios ecológicos permitindo ao visitante ficar vários dias, não é atoa que Bonito é a capital do Ecoturismo no Brasil. Lá o turismo é organizado, tem estrutura e bons serviços para atender quem chega. Quero voltar e fazer novos passeios, mas não me importo em repetir os que já fiz. A cidade fica a 280 km de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul.


Bonito - MS


2º - Lençóis Maranhenses, Maranhão
Que cenário inesquecível! Nunca imaginei que a paisagem formada por areia e água seria tão bonita. Os Lençóis Maranhenses passaram a ser pra mim uma referência de paisagem em outras viagens. Isto talvez porque quando fui em 2014 não esperei muita coisa e não criei nenhuma expectativa. Talvez também eu tenha ido na época certa, ficado nos lugares certos e conhecidos as pessoas certas durante a viagem. O fato é que fui surpreendido, não só pela paisagem dos lençóis, mas também pelo estado do Maranhão. Voltaria para rever os lençóis por Santo Amaro do Maranhão, para ficar o dia inteiro nos lençóis, para tentar ver a revoada dos guarás em Atins, voltaria por causa da lagoa bonita e lagoa azul, e voltaria para novamente comer o camarão de Canto de Atins e finalmente decidir qual é o melhor deles.


Lençóis Maranhenses - MA


3º – Alter do Chão, Pará
Saí de Alter insatisfeito por ter ficado somente três dias, deixei de conhecer tantos lugares. Por mais que eu sempre quisesse conhecer este pequeno distrito de Santarém, no Pará, eu não imaginava que fosse gostar tanto e que tivesse tantos passeios para fazer a partir dele. O lugar é pequeno e simples, mas tem uma comida gostosa, é banhado pelo rio Tapajós que a qualquer momento você pode mergulhar em suas águas claras. E são essas mesmas águas que durante a vazante revelam por seis meses a Ilha do Amor, o cartão postal de Alter do Chão. Ainda não tenho post no blog. Viajei ano passado, mas irei voltar.


Alter do Chão - PA


4º – Chapada Diamantina, Bahia
Em janeiro do ano passado fui a Salvador, e aproveitei para conhecer a Chapada Diamantina. Doce ilusão, a Chamada é imensa com vários lugarejos e atrativos, não dá para conhecer em tão pouco tempo. Apesar de sempre querer conhecer a Chapada, fui sem planejar e acabei ficando menos tempo que imaginei e mesmo fazendo bons passeios e conhecidos lugares incríveis, faltou um monte de atrativos. A Chapada é bem grande e abrange um parque nacional, áreas de proteção ambiental e muitas cidades e distritos. Ou seja, o que não falta é atrativo. Mas conhecer esses lugares sem carro é complicado, a logística dos transporte público é horrível e assim você acaba ficando em uma das cidades e fazendo os passeios através das agências de turismo. Foi o que aconteceu comigo, fiquei somente na cidade de Lençóis, a principal porta de entrada da chapada.

Mesmo não sendo um destino fácil para os sedentários, voltaria sim em outra época (fui em janeiro) para poder subir sem chuva o Morro do Pai Inácio e finalmente ver a paisagem que é o cartão postal mais famoso da região. Voltaria para ficar mais tempo flutuando no Poço Azul e na Gruta do Rio Pratinha, voltaria por tudo que conheci e por tudo que falta conhecer. Voltaria na esperança de poder reencontrar as pessoas que conheci.


Chapada Diamantina - BA


5º – Gramado, Rio Grande do Sul
Já fui algumas vezes a Gramado e não me canso de voltar. Iria agora se pudesse. Costumo brincar que Gramado não é real, é na verdade uma cidade cenário tão perfeitinha e bem cuidada (pelo menos a parte que o turista vai) que tenho a impressão que eles ficam sabendo que vai chegar alguém e preparam tudo e enfeitam a cidade, e quando saímos tudo volta ao normal, rsrsrs. Brincadeira a parte, a cidade tem uma estrutura impressionante para receber o turista, oferecendo bons serviços, hospedagens e restaurantes. A gastronomia é variada e o que não falta são atrativos e estão sempre criando novos para não ficar na mesmice. Vão desde atrativos culturais a parque de neve passando por passeios ecológicos e colônias rurais, e se não quiser ir a atrativo nenhum, o visitante pode simplesmente andar pela cidade que o passeio já valeu a pena.


Gramado -RS


OUTROS BLOGS QUE PARTICIPAM DA BLOGAGEM COLETIVA

Juny pelo Mundo - Top 5 Lugares que eu voltaria 
Destinos por onde andei... - Meus 5 Top Destinos para eu voltaria!

Vamos Por Aí - Top 5 - Lugares que eu voltaria 
Caixa de Viagens - 5 Destinos Top que Valem a Pena Voltar!
Pegadas na Estrada - Voltar em uma cidade já visitada ou conhecer novos destinos?
Arrumei as malas e parti - Voltar ou não voltar? Eis a questão.
Contando Destinos - 5 destinos para voltar
Embarque neste blog - 5 destinos que eu voltaria
Viagem a dois - Vale a pena visitar de novo? 5 destinos que voltaremos
Cantinho de Ná - 5 lugares que eu voltaria com muito prazer
Tá indo pra onde? - 5 lugares que eu mais quero voltar!
Tire a Bunda do Sofá - Top 5 lugares que eu voltaria!
Uma Turista Nas Nuvens - Top 5 destinos que vale a pena voltar de novo
D&D Mundo Afora - Top 5 destinos para voltar.
Viajonários - 5 destinos para visitar de novo
Tirando Férias - Vale a pena ir de novo! 5 top lugares que eu voltaria
Turistando com a Lu - 5 destinos de viagem que valem uma segunda visita
Passeiorama - Top 5 - destinos que eu voltaria
O Melhor Mês do Ano - Sobre lugares que eu Voltaria
guia&turismo - 5 lugares no Brasil que eu voltaria
Mochilão Barato -‎ 5 Cidades que voltaríamos
Vou pra Roma - Top 5 destinos na Itália que eu voltaria
Viagem em Detalhes - 5 Lugares que não me cansaria de voltar
Família Viagem - 5 destinos para revisitar com as crianças

Os diferentes carnavais no Espírito Santo

Carnaval boi pintadinho
Foto de Izaias Faria Buson (www.carnavaldoboi.com.br)

Não só de escola de samba e grandes trio elétrico vive o folião no carnaval capixaba. Aqui temos desfile de escolas de samba e já contei como é bom. Temos também lugares do litoral que ainda puxam o carnaval com trio elétrico. Mas temos outras opções, afinal de contas o estado do Espírito Santo tem uma cultura diversificada e em alguns lugares do estado o carnaval é festejado de uma forma bem diferente aproveitando os costumes locais.

Este post é mais uma ação coletiva feita pelo grupo de blogueiros Capixabas Indicam, que trabalham em conjunto para divulgar o turismo no Espírito Santo. O assunto dessa vez é o #carnavalcapixaba, e cada blog participante publicou um assunto diferente para ajudar você a aproveitar melhor o Carnaval aqui no Estado. Clique nos links abaixo e veja os textos que produzimos:
Siga o Capixabas Indicam no Instagram e no Facebook para acompanhar textos e fotos publicados por nós, sempre buscando divulgar as atrações turísticas e culturais do Espírito Santo.

Desfile de escolas de samba
Sim, temos escolas de samba. E elas dão um show na avenida, ou melhor, no Sambão do Povo que fica em Vitória. O nosso desfile acontece uma semana antes da data oficial do carnaval e as escolas da região metropolitana atraem um grande público. Na sexta e sábado de desfile podemos ver o resultado do trabalho das escolas, e alguns meses antes do carnaval podemos aproveitar os ensaios nas quadras. Leia mais sobre o desfile das escolas de samba aqui.

Carnaval Capixaba

Blocos de rua
São vários pelas ruas do estado, a irreverência fica por conta das fantasias e nomes. Cada um com a sua particularidade sai ao som de samba, modinhas, baterias ou trios. A participação dos blocos não se limita aos quatro dias de carnaval, antes mesmo eles já estão pelas ruas e continuam por dias depois. Em Vitória, durante os dias de carnaval, o centro da cidade é local principal para quem quiser ir atrás dos blocos. Um arrata uma multidão é o Regional da Nair.

Carnaval Capixaba

Banho de Mar a Fantasia
Em Manguinhos, balneário da grande Vitória, o carnaval não é o mesmo se não acontecer no sábado o banho de mar a fantasia. Depois de desfilarem a pé pelas ruas organizados em blocos (ou não) com fantasias confeccionadas com papel crepom, os foliões se reúnem a beira mar até o momento de mergulhar no mar. Esta tradição teve início em 1958 com Dona Altair, uma moradora que depois de dançar muito entrava no mar com a fantasia pois achava divertido ver a água colorida . Ela era acompanhada pela família e alguns poucos moradores e hoje o pequeno balneário fica lotado por moradores e visitantes que ainda querem ver o mar com muitas cores. O carnaval em Manguinhos não tem abadá e nem tem que pagar pela fantasia do bloco, é só criar a sua, reunir os amigos e ir.

Manguinhos esta localizado no município de Serra, litoral norte, distante um pouco mais de 20 km de Vitória. Leia mais sobre Manguinhos e veja como chegar e onde ficar.

Carnaval Capixaba


Atrás da Fubica em Regência
Na década e 1990 quando o axé tomava conta dos carnavais no Brasil, um grupo de amigos resolveu tocar frevo na vila de Regência, norte do estado. Em cima de uma caminhonete saíram pelas ruas da vila e criaram assim a fubica. Um pequeno trio que todas as tardes sai pelas ruas de terra acompanhado pelos foliões. A distância é curta, mas demora a tarde toda pois o povo não deixa ela ir rápida para não acabar logo. Cerca de 5 horas para percorrer 1 km.

Regência ficou conhecida nacionalmente com as notícias da lama da Samarco Mineradora, mas antes disso já acontecia na vila um dos carnavais mais legais do Espírito santo, e continua sendo. À tarde tem a Fubica pelas ruas, na praça tem sempre uma banda tocando forró e reggae e pela madrugada a fora tem mais forró nas chopanas da praia, mas a atração principal é o Ford F100 de 1960, a fubica. Durante o dia você pode aproveitar algumas atrações, veja mais no blog Pelo Mundo com Manu.

A Vila de Regência, localizada distante 120 km ao norte de Vitória, faz parte do município de Linhares na foz do Rio Doce que desagua no oceano atlântico. É pequena e a população formada basicamente por pescadores, na época do carnaval recebe um grande público de várias idades predominando jovens. Tem poucas opções de hospedagem e restaurantes.

Carnaval Capixaba


Boi Pintadinho em Muqui
Na cidade Muqui no sul do estado e distante 175 km de Vitória acontece o principal carnaval folclórico do estado. A folia gira em torno do Boi Pintadinho, folclore envolvendo a figura do boi semelhante ao que tem em outros lugares do Brasil como o ‘Boi Bumbá’ e o ‘Bumba meu boi’ que conta a lenda da morte de um boi para satisfazer o desejo de uma grávida, mas o boi era muito querido e ao ser ressuscitado avança sobre as pessoas que estão ao seu redor. É a parte da ressureição que é apresentada durante a brincadeira, o boi, que é conduzido por uma pessoa que fica embaixo da fantasia vai em direção as pessoas ao redor e a movimentação parece uma dança.

O folclore do boi está ligado aos festejos religiosos dedicados aos santos, e em Muqui a apresentação acontecia em junho durante a festa de São João, padroeiro da cidade. Com o tempo passou a ser somente uma brincadeira durante o carnaval e nunca mais parou e a cada ano ganha mais força e público. São 19 bois na cidade com várias formações, tem o boi Vaca Mocha formado só por mulheres e tem até os bois infantis. Eles saem todos os dias do carnaval e se apresentam no centro da cidade como blocos com baterias e fogos atraindo pessoas de todas idades. Quem não pode ir atrás do boi fica nas calçadas assistindo e se divertindo. Em 2016 teve um publico de 15 mil pessoas.

A cidade de Muqui é uma referência histórica e cultural do Espírito Santo. É o maior sítio histórico do estado com mais de 180 prédios tombados e além do carnaval do Boi Pintadinho, realiza o maior e o mais antigo encontro de Folias de Reis do Brasil. Veja aqui onde se alimentar e aqui onde ficar.

Carnaval boi pintadinho
Foto de Izaias Faria Buson (www.carnavaldoboi.com.br)
j
Dançando forró em Itaúnas
O som do carnaval não poderia ser diferente na Capital Nacional do Forró Pé-de-Serra. A pequena vila realiza todo ano durante o mês de julho um festival nacional de forró, com isso Itaúnas virou sinônimo de forró-pé-serra, e o som da azabumba, triângulo e sanfona é ouvido nas principais datas e não seria diferente no carnaval. As principais apresentações acontecem em casas fechadas sendo necessário adquirir ingresso, mas é comum ouvir (e dançar) um bom forró nas ruas, praça e praia. 

Distante aproximadamente 270 km de Vitória, no norte do estado, Itaúnas pertence ao município de Conceição da Barra. É uma vila simples com ruas de terra, mas com boas opções de hospedagem e restaurantes. Leia mais sobre Itaúnas aqui.

Itaúnas - ES

COMO CHEGAR A PARTIR DE VITÓRIA

MANGUINHOS:
Distante um pouco mais de 20 km de Vitória. Saindo da nossa capital siga pela BR 101 e continue pela Rodovia Estadual ES 010, um pouco antes do posto da polícia rodoviária está a primeira entrada chegando pelo lado sul – tem placa sinalizando. Mas se passar direto não se preocupe pois tem mais três entradas depois. Também tem ônibus saindo do terminal urbano de Carapina, linha 831.

REGÊNCIA:
Também seguindo pela rodovia ES-010, ate Vila do Riacho e pegar uma estrada de terra (36 km), que chega a Vila de Regência. A viagem de carro dura cerca de duas horas. Outra opção é seguir pela BR-101 norte, até o município de Linhares e no trevo de bebedouro pegar rodovia à direita, seguindo até Regência. Este caminho tem cerca de 23km de estrada de terra. Para ir de ônibus é preciso ir com a empresa Águia Branca até Linhares e depois pegar outro ônibus da Viação Citranstur, telefone: (27) 3371-4832.

MUQUI:
Seguir pela BR 101 sul até a cidade de Cachoeiro do Itapemirim, depois BR 482 e BR 393. Não consegui informação sobre como ir de ônibus.

ITAÚNAS:
O trajeto é pela BR 101 norte até o trevo para Conceição da Barra, onde entra na ES 421 viajando aproximadamente 10 km até o início da estrada de terra que fica à esquerda. Para quem for de ônibus, o percurso é feito até Conceição da Barra pela viação Águia Branca  e depois pela viação Mar Aberto , telefone (27) 3762-2093.

Desfile das escolas de samba de Vitória

Carnaval Capixaba


Sabia que aqui no Espírito Santo também tem escolas de samba? Pois é, temos e elas mandam muito bem. Tanto que em Vitória tem um sambódromo que é conhecido como Sambão do Povo, onde atualmente desfilam 14 escolas de quatro cidades da região metropolitana. 

Escolas de samba tem em várias cidades, não é novidade, o que é diferente aqui é que o desfile acontece uma semana antes do carnaval oficial. Isto passou a acontecer em 2002 para o que o desfile de Vitória, em desvantagem, não tivesse que disputar o público com o desfile do Rio de Janeiro, que devido a proximidade, preferia ir à cidade maravilhosa. A antecipação do desfile deu certo, passando a ter um grande público, não só de capixabas como de outros estados e até mesmo de outros países. Com isso as escolas ganharam força e nós capixabas ganhamos, pois podemos curtir o desfile e aproveitar o feriado do carnaval. Hoje há quem defenda, devido a proporção do nosso desfile, que as escolas voltem a desfilar nos dias oficiais do carnaval. Veja aqui como foi o desfile de outros anos.

Carnaval Capixaba

AS ESCOLAS

As escolas são representadas pela Liga Espírito-Santense das Escolas de Samba (LIESES).

GRUPO ESPECIAL:
No sábado desfilam as seis melhores escolas do ano anterior. O público capixaba nos últimos anos tem ido ao Sambão do Povo para ver principalmente a disputa entre a Independente de Boa Vista, Mocidade Unida da Glória e Unidos de Jucutuquara, as escolas que mais investem. A escola que tiver menos ponto passa a desfilar no Grupo A do ano seguinte.

A escola Novo Império, das cores azul, branco e rosa, é da região de Santo Antônio em Vitória. De 1956 é uma das mais tradicionais e antigas do Estado. Possui seis títulos de campeã e uma das melhores baterias do carnaval capixaba.

A Unidos de Jucutuquara, das cores verde, vermelho e branco, é do bairro de Jucutuquara também em Vitória fundada em 1972. A escola conhecida pela coruja possui sete títulos de campeã e foi a vice do ano passado.

A escola Mocidade Unida da Glória, com suas cores vermelho e branco, é do bairro da Glória na cidade de Vila Velha e foi fundada em 1980. Possui seis títulos sendo que o último foi o ano passado. Tem como símbolo o leão.

A escola Pega no Samba com suas cores o azul, vermelho e branco é do bairro Consolação em Vitória. Fundada em 1976 ainda não possui título no grupo especial, a melhor colocação foi de terceiro lugar em 2010.

A escola Unidos da Piedade, é a escola mais antiga fundada em 1955 no Morro da Fonte Grande em Vitória. Uma das mais tradicionais escolas é também a maior campeã do carnaval capixaba com treze títulos. Tem o dragão como símbolo.

A Independentes de Boa Vista, que possui azul, vermelho e branco, foi fundada em 1975 na cidade de Cariacica, região da grande Vitória. Possui três títulos de campeã e tem como símbolo a águia.

GRUPO A:
São oito escolas que desfilam na sexta feira. A cidade de Vitória é representada pelas escolas Andaraí, Chega Mais, Chegou o Que Faltava, Imperatriz do Forte e Unidos de Barreiros. Da cidade de Vila Velha participa a tradicional escola de samba Independentes de São Torquato, que já foi cinco vezes campeã no carnaval capixaba. O município de Serra é representado pelas escolas de samba Rosas de Ouro e Tradição Serrana. A campeã deste grupo passa a desfilar no grupo especial do anos seguinte.

Carnaval Capixaba

QUANDO ACONTECE

Este ano será nos dia 17 e 18 de fevereiro, sexta e sábado respectivamente. Na sexta desfilarão 8 escolas do grupo A e no sábado serão 6 escolas do grupo Especial. O desfile terá início ás 21 horas.

LOCAL DO DESFILE

Em 1987 foi inaugurado o nosso sambódromo, o Complexo Walmor Miranda que é popularmente conhecido como Sambão do Povo. As escolas desfilam  por uma avenida de 500 metros e o folião pode optar em assistir a apresentação em arquibancadas, mesas de pistas ou camarotes. No local é comercializado bebida e comida, conta com banheiros e serviço médico. Está situado na região da grande Santo Antônio bem próximo a rodoviária de Vitória.

COMO CHEGAR

Quem vai ao Sambão do Povo conta com o serviço de ônibus, taxi e Uber. Nos três casos ele terá que caminhar uma distância aproximada de 600 metros passando pela área de concentração das escolas e o publico em geral, bom que já vai entrando no clima. Quem optar pelo ônibus é só pegar algum que passe pela rodoviária de Vitória, e tem que que saber que não funciona a noite toda, então só vai conseguir retornar às 5 horas que é quando voltam a circular e sempre muito disputado. Quem for de carro tem a opção de estacionamentos pagos próximos ao Sambão e do estacionamento da rodoviária que também é pago porém mais seguro.

Para chegar ao local escolhido (arquibancada, mesas de pista ou camarotes) é preciso prestar atenção pois só tem sinalização do setor nos portões de entrada que não é visível de longe (a sinalização é falha). pra quem chega pelo lado da rodoviária, os portões ficam em lados opostos com a concentração das escolas no meio e se for pelo caminho errado terá que retornar pelo meio da multidão, dando uma grande volta e perdendo tempo.

Lado esquerdo da concentração: Camarotes A e D, arquibancadas (B-E)  e mesas de pista (C-F).
Lado direito da concentração: Somente camarotes (G, H,I,J e K).

Carnaval Capixaba

INGRESSOS

Ainda é possível comprar ingressos para as arquibancadas NESTE SITE, ou na Central do Carnaval, localizada no Shopping Vitória (Limite de aquisição por CPF: 6 unidades). Os ingressos aqui têm bons preços, para sexta –feira o valor é R$ 40,00 (meia R$20,00), para sábado R$ 70,00 (meia R$ 35,00).
Não tem mais mesas de pista e camarotes só os coletivos (vendas AQUI, AQUI e AQUI).

ONDE FICAR EM VITÓRIA

O lugar mais próximo é o centro da cidade tendo como opção alguns hotéis simples como Cannes Palace Hotel, tem o Guanaaní Hostel uma opção melhor é o Alice Vitória Hotel. Ficando no centro é possível conhecer os monumentos do Centro Histórico que ficam abertos a visitação. Outros bairros com boas opções de hospedagem é a Praia do canto com Shopping e praia, e a Praia de Camburi com boas opções de frente para o mar.

COMO CHEGAR A VITÓRIA

De ônibus através da rodoviária (Kaissara, União, São Geraldo, Águia Branca, etc), de avião através do aeroporto Eurico de Aguiar Sales (Azul, Gol e Tam), e se for de minas tem a opção do trem de passageiros que sai diretamente de Belo Horizonte (veja aqui).

O QUE FAZER EM VITÓRIA

Quem for assistir ou participar do desfile no Sambão do Povo, no dia seguinte vai querer dormir ou descansar para a noite seguinte. Mas se quiser aproveitar a vinda a Vitória pode conhecer alguns lugares. Se curte atrativos históricos, tem o Visitar no centro da cidade com Monumentos desde o século XVI e que são abertos a visitação com monitores. Mas se quiser só uma praia para relaxar e tomar uma cerveja, também encontrará várias opções. Se não quiser nada de visitas históricas e nem ficar no calor das praias, pode aproveitar um dos restaurante da cidade (veja as dicas do blog caixa de viagens), e se gostar de peixe, comer  nossa saborosa moqueca capixaba.

Carnaval Capixaba

ROTEIROS DE 06 DIAS PELO PIAUÍ

Piauí

 

É interessante como o Piauí, um estado que muita gente não dá nada por ele, tem uma paisagem tão diversificada. Eu, como muita gente só tinha a informação que é o estado mais pobre do Brasil, que é o único do nordeste que a capital não fica no litoral e que tem o menor litoral do país (66km). Eu imagina que fazia um calor da moléstia e hoje tenho certeza que faz. É muito quente!

 

O Piauí entrou no roteiro da viagem que fiz do Pará a Jericoacoara no Ceará. Aproveitei que já ia pras bandas de lá pensei por que não aproveitar para conhecer lugares como o Delta do Parnaíba e Barra Grande, e quem sabe um dos fantásticos sítios arqueológicos? foi aí que entrou no roteiro o Parque Nacional das Sete Cidades, e também a capital Teresina.

 

Fiquei somente cinco dias no estado, tempo suficiente para conhecer o que planejei, mas o estado tem muito mais para conhecer. A cada dia que passa descubro mais lugares interessantes, e já até passou pela minha cabeça voltar ao Piauí, apesar do calor terrível.

 

Apesar do cenário turístico, o setor não é tão desenvolvido e falta serviços e infraestrutura. O fluxo de turista é pequeno não favorecendo uma oferta maior de serviços e assim deixando eles mais caros. Falta também informações mais atualizadas sobre os lugares, neste quesito quem me ajudou muito foram os poucos blogs que escrevem sobre o destino.

 

Cheguei ao estado pelo aeroporto de Teresina e sai via terrestre indo em direção ao Ceará. Para ir de uma cidade a outra dentro do estado utilizei ônibus.

 

1º DIA

Cheguei a Teresina vindo de Belém. Ô terra quente sô! E o planejamento era aproveitar a tarde para conhecer a cidade, pernoitar seguir viagem na manhã seguinte, mas acabei indo embora no mesmo dia – e não foi por causa do calor não - fiquei decepcionado com a capital. Não sei se foi por era um Sábado, mas não consegui visitar a maioria dos atrativos pois estavam fechados e dois que consegui foram frustrantes (veja aqui como foi). Tudo bem que nunca imaginei Teresina como uma cidade turística (e não é), mas sempre espero o melhor de um lugar que visito.

 

Sai de Teresina no início da noite com destino a cidade de Piripiri para no dia seguinte tentar visitar o Parque Nacional das Sete Cidades (veja aqui como fazer a visita). Fui de ônibus com a empresa Expresso Guanabara, mas tem também a Viação Barroso com menos horários. A viagem teve a duração de três horas em estrada boa, foi tranquila e o ônibus mesmo sendo convencional era bom e tinha ar condicionado. Graças a Deus, porque mesmo à noite o calor continuava. Comi alguma coisa e cama, dormi em uma pousada próxima a rodoviária (o centro da cidade ficava mais afastada).

 

Teresina

 

2º DIA

O meu segundo dia no Piauí foi dedicado a conhecer o Parque Nacional da Sete Cidade (conto tudo aqui). O parque é incrível e para quem gosta de sítios arqueológicos e formações rochosas vale muito a pena. Fiz a visita com calma e ainda consegui seguir viagem (Expresso Guanabara novamente) até Parnaíba, a segunda maior cidade do estado. Foram mais três horas de viagem chegando já à noite. Logo de cara gostei da cidade, pois ventava muito e não sentia mais o calor infernal. Fui para o Hostel e só sai para comer alguma coisa e voltei logo. Parnaíba é a principal cidade para quem quer fazer o passeio pelo Delta do Parnaíba.

 

Paiuí

 

3º DIA

Foi o dia do passeio pelo Delta. Na cidade tem uns passeios tradicionais realizados em grandes embarcações com almoço incluso e com preços bons, mas Parnaíba apesar de fazer parte dos roteiros turísticos como a Rota das Emoções, o mais conhecido e mais importante, não tem um fluxo grande de turistas. Então esses passeios acontecem somente nos finais de semana quando tem público. Durante a semana é preciso contratar pequenas embarcações e fazer um passeio privativo ou conseguir outras pessoas para dividir o custo para não ficar tão alto. Como era uma segunda-feira, eu e outros turistas nos juntamos para não sair dali sem conhecer o Delta. O bom do passeio privativo é que temos mais liberdade e conhecemos mais do Delta (veja aqui como foi o passeio). Retornamos só a noite, dormi ainda na cidade e na manhã seguinte fui para Barra Grande.

 

Piauí

 

4º E 5º DIAS

Saí de Parnaíba para outro destino que queria muito conhece no litoral do Piauí: Barra Grande. Uma pequena vila com uma praia maravilhosa muito frequentada por turistas estrangeiros que descobriram o lugar devido o forte vento que faz com que a praia seja ideal para a prática do Kitesurf. Mas mesmo que não vai praticar o esporte, como no meu caso, aproveita muito Barra Grande. Eu fiquei ali um dia e meio antes de seguir viagem para o Ceará. Apesar de ser um lugar turístico, não tem tanta facilidade para chegar lá usando transporte público e pior ainda foi sair para ir a Jericoacoara.

 

Piauí

 

6º DIA

Na manhã seguinte, me despedi do Piauí saindo bem cedo de Barra Grande e indo para Jericoacoara no Ceará. Não foi tão fácil fazer o percurso não, peguei ônibus, carona e buggy. Contei como foi neste post.

 

Foram só seis dias no Piauí, mas pude ver uma paisagem diversificada com cenários únicos do sertão ao litoral percorrendo distancias relativamente curtas. Fui bem tratado e comi bem. Me incomodou a falta de estrutura turística na capital e mais ainda o calor. Pude ver como o sol castiga quem vive lá.

 

QUANDO IR

Durante o verão tem chuva. De maio a agosto é menos quente e daí em diante até Dezembro é calor forte, são os meses terminados em BRO.