Mangal das Garças, um lugar que deve ser visitado em Belém

Mangal das Garças em Belém

Para completar o meu primeiro dia de tour em Belém fui ao Mangal das Garças. Que surpresa boa! Foi um dos lugares mais bonitos que conheci na cidade. Na verdade eu não esperava tantos e bons atrativos em Belém além do Mercado Ver-o-Peso. Quebrei a cara! O Mangal das Garças é um belo e interessante lugar que deve se visitado na capital do Pará. Não pode ficar de fora do seu roteiro.

Mangal das Garças em Belém

Tudo bem que o nome já diz que é o lugar das garças, mas logo na chegada a quantidade chama a atenção. Elas estão em bandos por todos lugares, no chão, arvores e telhados. Cerca de 60 garças visitam o local atraídas por um lago artificial, construído com esse objetivo, e por algumas garças moradoras do lugar. As garças se destacam, mas o lugar todo chama a atenção pelo paisagismo e localização.

Mangal das Garças em Belém

Apesar das garças serem as donas da casa, elas convivem muito bem com outras aves e bichos, tem até um borboletário e dizem que é melhor visitá-lo pela manhã quando acontece a soltura das borboletas e alimentação. Eu perdi, pois fui só à tarde, mas presenciei outro espetáculo: o pôr do sol.  Então ir à tarde tem as suas compensações, mas só não faça como eu indo muito tarde e ficando pouco tempo e não visitando todos os espaços. O Mangal fecha às 18h, tem muito para ver e merece uma atenção especial.

Mangal das Garças em Belém

Mas o que é o Mangal das Garças e que nome é este?

É um parque natural criado em uma área alagada às margens do Rio Guamá com uma extensa vegetação aquática conhecida como aninga, como se fosse um mangue (acho que é daí que vem o nome mangal). No parque estão representantes da fauna e flora da Amazônia contrastando com construções históricas do centro de Belém que está ali encostado. Do parque é possível avistar monumentos importantes como a catedral.

Mangal das Garças em Belém

Como é a visita ao Mangal das Garças?

É um parque natural amplo, agradável, bonito, bem cuidado com lago, jardins, arvores, loja, restaurante e, claro, muitas aves. Você pode entrar e circular à vontade, não tem um roteiro específico e só visita o que quiser. Só nos finais de semana e feriados que tem um tour guiado por um monitor do parque. Acontece às 10 horas e é gratuito.

Mangal das Garças em Belém

Mas tem quatro espaços específicos que para visitar o interior deles é preciso pagar o ingresso individual (R$ 5,00) ou comprar de todos juntos ganhando um desconto (R$ 15,00). São eles: Borboletário, Viveiro das Aningas, Farol de Belém e o Memorial Amazônico de Navegação. Mas também visita se quiser. Devido o horário que fui e o pouco tempo que tive (01 hora é pouco) eu não consegui conhecer todos. Tem também um restaurante muito recomendado e sofisticado.

Mangal das Garças em Belém

Eu fui direto ao borboletário, na entrada fui informado que não havia borboletas pois foram soltas. Elas são reproduzidas ali e para isso foi criado um ambiente específico com lagos e vegetação. Valeu a visita, vi peixes e grandes vitórias-régias. Depois segui para o Farol de Belém. Com o elevador chega-se aos dois níveis de observação de onde se tem uma visão de 360° do parque e de Belém. A vista vale a pena.

Mangal das Garças em Belém
Borboletário.

No Viveiro das Aningas o colorido das aves ganham destaque. E por último fui ao mirante que fica a beira do rio. Para chegar lá é preciso passar por uma passarela sobre as Aningas, vegetação nativa. lá eu fiquei o restante do meu tempo apreciando a vista maravilhosa do entardecer esperando o pôr do sol. Acho difícil que em algum lugar em Belém o pôr do sol seja feio, mas ali é caprichado. Quando saí do mirante já passava do horário de fechar, nem deu tempo de visitar o Memorial e a lojinha.

Mangal das Garças em Belém

Como chegar ao Mangal das Garças?

Ele fica na região central distante somente a 1km da catedral, dá para ir a pé, mas fui recomendado a não ir.
Fui de taxi, mas na volta peguei um ônibus.
Aberto de terça a domingo das 9h às 18 horas. Visite o site.
Localizado na Passagem Carneiro da Rocha, S/N, bairro Campina, próximo ao Arsenal da Marinha e ao Portal da Amazônia.

Mangal das Garças em Belém

O que fazer em Foz do Iguaçu em 3 dias

Cataratas do Iguaçu

Foz do Iguaçu, cidade paranaense, é conhecida nacionalmente pelas Cataratas do Iguaçu, a Usina Hidroelétrica de Itaipu e pelas compras em Ciudad del Este, cidade paraguaia que faz fronteira com o nosso país. Pra muitos brasileiros este é (ou foi) o roteiro no principal destino turístico do sul do Brasil, conhecendo o básico nas atrações do lado de cá e dando ênfase na Ciudad do lado de lá. Eu, devido a minha profissão de Guia de Turismo, sempre fiz esse mesmo roteiro. Sabia que havia outras atrações, mas tinha que seguir a programação.   

Em Setembro fui a Foz do Iguaçu e o roteiro fugiu do trivial e pude finalmente ir a lugares que há muito tempo queria conhecer, e até mesmo em atrativos já batidos como a Usina de Itaipu fiz mais do que um passeio panorâmico conhecendo outras opções de passeios. Este post é uma sugestão de roteiro de 03 dias na cidade e, claro, pode ser modificado conforme o interesse e o modo de viajar de cada pessoa.

Roteiro para 3 dias em Foz do Iguaçu

Vou colocar atrativos somente da cidade de Foz, mas é perfeitamente possível e fácil ir visitar as cidade vizinhas do Paraguai e Argentina ficando hospedado na cidade brasileira. Você pode ir por conta própria ou contratar alguma empresa local. Nos dois casos para passar na aduana é necessário somente a Carteira de Identidade (documento em bom estado de conservação).

O roteiro é uma sugestão para quem só tem num fim de semana ou feriado, mas Foz do Iguaçu oferece muitos atrativos sendo possível ficar mais dias. A sequencia do roteiro não precisa ser necessariamente o apresentado por mim. O importante é você dedicar um dia para os passeios na Usina de Itaipu, outro dia para os passeios no Parque Nacional do Iguaçu mais o Parque das Aves. E outro dia para as outras atrações que irei sugerir.

1º Dia: Marco das Três Fronteiras - Mesquita Mulçumana - Templo Budista.

Uma programação bem leve que pode ser feita no dia de sua chegada caso você chegue logo pela manhã. Pode começar o tour de qualquer um dos três atrativos, vai depender de onde você estiver. Se for direto do aeroporto, o mais próximo é o Marco das Três Fronteiras, mas caso queira aproveitar para almoçar em um dos atrativos, este é o único que oferece restaurante no local.
 
Marco da três fronteira, Foz do Iguaçu    
Marco das Três Fronteiras: Local da fronteira dos três países separados pelo Rio Iguaçu, que faz a divisa do Brasil com Argentina, e o Rio Paraná que faz a divisa do Brasil com a Argentina. Em cada país existe um obelisco com as cores da bandeira e de onde é possível avistar os dos países vizinhos. Dos atrativos desse dia, este foi o único que eu já conhecia, mas fazia muito tempo que não visitava e o lugar mudou muito e para melhor. Antigamente as atrações eram os obeliscos e o mirante de onde se via uma boa paisagem, inclusive o encontro dos rios. O lugar ficou um período praticamente abandonado, mas agora está revitalizado com boa estrutura com loja, lanchonete, memorial em homenagem ao desbravador Cabeza de Vaca, réplica de uma missão jesuítica e um bom restaurante. O lugar está bonito, tem apresentações culturais e dizem que o pôr do sol dali é muito bonito. (Visitação diária das 10h às 23h. Tem ingresso). 
   
    
**O ingresso pode ser adquirido separadamente ou você pode comprar o Passaporte 3 Maravilhas que dá descontos no ingresso, lojas e estacionamentos desta atração, Cataratas do Iguaçu e na Visita panorâmica de Itaipu, além de gratuidade no Ecomuseu.

Mesquita Mulçumana, Foz do Iguaçu
   
Mesquita Mulçumana: Por fora a construção é bonita e chama atenção pelo tamanho, formas e por ser toda branca, mas o seu interior é mais bonito. O lugar passou a ser um atrativo turístico, mas para visitar internamente é preciso seguir as orientações da religião islâmica, como deixar os calçados na porta e as mulheres usarem véu que são oferecidos gratuitamente na entrada. O visitante entra só numa parte do salão onde é possível avistar todo o ambiente e é acompanhado por uma pessoa que conta sobre a mesquita e a religião. Gostei muito. (Visitação gratuita de segunda a sexta, das 9h às 11h30 e das 14h às 17h30 / Sábado, das 9h às 11h30). 
     
Templo Budista, Foz do Iguaçu

Templo Budista:
O lugar é calmo e silencioso, transmite uma paz incrível. Para chegar ao templo é preciso fazer uma pequena caminhada desde o portão passando pelo pátio onde estão várias estátuas de Buda e em várias posições. Fazer o trajeto criou em mim uma expectativa quanto ao templo, mas apesar de ter nele vários objetos, ao contrário da Mesquita, não é passado no local nenhuma informação e eu sendo leigo fiquei sem entender nada e a visita acaba sendo rápida. Mas o lugar é bonito e cheio de símbolos, ótimo lugar para tirar fotos. (visitação gratuita de Terça a domingo, das 9h30 às 16h30). 
    

2º Dia: Usina Hidrelétrica de Itaipu

Quem já visitou Foz do Iguaçu provavelmente já fez o passeio panorâmico em Itaipu e seguiu (assim como eu) para conhecer outros lugares na cidade. Mas o que muita gente não sabe é que lá dentro é possível fazer alguns roteiros turísticos conhecendo vários atrativos, por isso é necessário reservar um dia para.  Na minha última ida a Foz pude conhecer mais sobre o Complexo Turístico de Itaipu.

Foto do acervo da Itaipu.

Você pode ter uma visão geral da grandiosidade da Itaipu fazendo a Visita Panorâmica. E o passeio tradicional feito em ônibus com paradas estratégicas e acompanhado por um monitor que vai passando informações durante o percurso e demora aproximadamente 2 hora. Se você der sorte de encontrar o vertedouro aberto terá uma bela visão. Mas se você quiser informações mais detalhadas e conhecer o interior da usina então tem a opção de fazer o Circuito Especial com quase 3 horas de duração.
 
Mas não tem só passeio para saber sobre a construção e funcionamento da usina não. Você pode conhecer outros espaços como o Refúgio Ecológico fazendo um trilha tranquila e guiada de 2 km por uma unidade de proteção criada para abrigar plantas e animais remanejados durante a construção da usina. Há também o Polo Astronômico um passeio de Kattamaram pelo imenso lago de Itaipu com vários horários de saída, mas dizem que o melhor é o do pôr do sol. No píer onde sai o Kattamaram está o Restaurante Porto Kattamaram, uma ótima opção para quem faz os passeios na Itaipu, tanto pela comida como pelo lugar.
 
Capturar (1) (Copy)

Ainda dentro da usina é possível fazer um passeio noturno para ver Iluminação da Barragem. É praticamente a visita panorâmica só que com jogo de luzes e trilha sonora. Faz muito tempo que não faço este e na época não gostei muito. Já no lado de fora, próximo ao Centro de Visitantes da Usina, está o Ecomuseu que também faz parte do Complexo Turístico de Itaipu. O acervo conta não só a história da usina, mas também da cidade. Se você já fez Tour pela cidade e visitou a usina, poderá achar esta visita repetitiva.
 
Ecomuseu em Foz do Iguaçu

Fiquei surpreso com os passeios, gostei muito. Todas as atrações precisam de ingresso e poderão ser adquiridos no site da empresa, onde também você tem informações mais detalhadas sobre os passeios.
 
**O ingresso da Visita Panorâmica pode ser adquirido separadamente ou você pode comprar o Passaporte 3 Maravilhas que dá descontos no ingresso, lojas e estacionamentos desta atração, Cataratas do Iguaçu e no Marco das três Fronteiras, além de gratuidade no Ecomuseu. 

3º Dia: Parque da Aves e Cataratas do Iguaçu

Comece este dia cedo no Parque da Aves, um lugar que há muito tempo queria conhecer. Não, não é um Zoológico, é um centro de recuperação de aves ameaçadas, confiscadas ou que não conseguem mais viver na natureza. Mas também não é um hospital de aves, é um lugar inesquecível que surgiu da paixão de Dennis Croukamp pelas as aves. A visita é feita em trilha auto guiada rodeado de aves de todos cantos do Brasil e de outros países. São três viveiros e um borboletário e ao final do passeio você poderá (depois de uma fila) tirar foto com uma arara. Na segunda-feira a arara descansa. O lugar oferece estacionamento, banheiros, loja e restaurante. Vale muito a pena visitar o parque (todos os dias das 8h30min às 17h, ingresso até 31/12 R$ 40,00).
 
Parque das Aves em Foz do Iguaçu

Bem perto dali, a cerca de 400 metros, está a entrada do Parque Nacional do Iguaçu que abriga a principal atração de Foz do Iguaçu, as Cataratas do Iguaçu, uma das 7 maravilhas da natureza. As quedas do Rio Iguaçu de até 80 metros me impressionam toda vez que visito o parque. Visite o parque com calma, principalmente se for fazer algum dos passeios opcionais que não estão incluídos no valor do ingresso. É isso mesmo, além da grande atração, existem passeios fascinantes como voo de helicóptero, trilha do poço preto, trilha das bananeiras e o incrível macuco safari que tive oportunidade de fazer há muito tempo. Veja mais detalhes no site oficial.
 
Cataratas do Iguaçu

Você compra o ingresso que dá acesso ao parque no Centro de Visitante. Dali em diante é feito um trajeto em um ônibus panorâmico com áudio que passa informações sobre o parque. No trajeto acontecem paradas para embarque e desembarque dos passeios opcionais e também no início da trilha com visão panorâmica das Cataratas. Uma trilha toda cimentada com corrimão e que em um lugar avança sobre o rio. A trilha termina próxima a uma das quedas e no local tem banheiro, loja e elevador que dá acesso ao ponto final do ônibus onde tem ambulatório, banheiros, loja e praça de alimentação com lanchonete, mas se preferir tem o restaurante Porto Canoas, muito bom. Se preferir pode iniciar a trilha dali e fazer o caminho inverso. Depois é só embarcar no ônibus novamente e voltar ao Centro de Visitante. Se preferir fique hospedado no único hotel que tem parque do parque. (visitação diária das 9h às 17h, ingresso R$ 38,30). 
    
Passeio Macuco Safari nas Cataratas do Iguaçu
Pode acreditar, eu estava nesse barco fazendo o passeio Macuco Safari há alguns anos. 
   
    
**O ingresso pode ser adquirido separadamente ou você pode comprar o Passaporte 3 Maravilhas que dá descontos no ingresso, lojas e estacionamentos desta atração, Visita Panorâmica da Itaipu e no Marco das três Fronteiras, além de gratuidade no Ecomuseu. 
    

A cidade Foz do Iguaçu

Localizada no extremo oeste do Paraná, distante 660 km de Curitiba, na fronteira com o Paraguai e Argentina tem uma população (mais de 260 mil habitantes) com grande diversidade étnica que junto com os turistas de vários lugares do mundo transformam Foz em uma cidade internacional. Com uma boa estrutura turística com aeroporto internacional, bons restaurantes, meios de hospedagem e diferentes atrativos turísticos, Foz do Iguaçu recebe turistas o ano todo.
 

Quando ir

No verão, eu que transpiro muito, sofro com o calor. Nessa época pode ter chuvas, mas as cataratas e as comportas da Itaipu estarão bem cheias.
No inverno chove menos e as cataratas e comportas estarão mais vazias. Talvez você não ache tão bonito. Pelo clima mais agradável eu prefiro esta época.

Estação das Docas, porto turístico em Belém

Estação das Docas em Belém

Dificilmente você não irá à Estação das Docas. O complexo turístico tornou-se ponto de encontro tanto de quem visita Belém como de moradores. Localizado num lugar estratégico e agradável tem restaurantes com comida típica, sorvete de frutas que não encontramos pro lado de cá, apresentações culturais, lojinha com produtos que turistas adoram, cerveja gelada, pôr do sol bonito e ambiente climatizado, o que faz toda diferença numa cidade quente como a capital do Pará. Diante de tudo isso não será difícil você ir mais de uma vez. Eu devo ter ido uns três dias.

A Estação das Docas existe desde 2000 quando uma área do porto foi revitalizada para oferecer serviços de lazer com segurança ao visitante. Os galpões de ferro inglês foram aproveitados para os ambientes internos. Na área ao ar livre à beira da baia do Guajará o que ganha destaque são os enormes guindastes trazidos dos Estados Unidos e viraram uma marca do local.
  
Estação das Docas em Belém

Fui à Estação pela manhã, tarde e noite. Pela manhã provavelmente você encontrará o que fazer só no galpão 1 onde estão as lojas e no galpão 2 que é o espaço de bares e restaurantes, sendo que os dois galpões também ficam abertos à noite. O galpão 3 tem teatro e espaços reservados para apresentações, exposições e feiras e é mais comum ter alguma programação aberta ao público à noite também.

Caso resolva ir durante o dia você pode aproveitar para almoçar comida típica paraense. Os restaurantes do térreo servem buffet e cobram um valor por pessoa. Tanto o cardápio quanto o preço têm pouca diferença de um para o outro e não é tão barato. Mas a comida é muito boa e ambiente também. Mas se você quiser economizar vá para o segundo piso onde tem um restaurante no peso e com vários pratos típicos.
  
Estação das Docas em Belém

Pra mim o melhor horário de ir à Estação é à tardinha e já ficar para à noite. Depois de andar, conhecer e, se a fila estiver pequena, tomar sorvete de frutas regionais na famosa Cairu, escolha uma mesa de preferência na parte externa de frente para o rio, a essa hora tem até uma brisa (se é que podemos chamar assim) e aguarde o pôr do sol, vale a pena. No fim de tarde a movimentação já é grande no happy hour e você já pode trocar o sorvete por uma cerveja artesanal produzida ali mesmo. 
  
Estação das Docas em Belém

Procure saber qual a programação do galpão 3 e se for interessante não perca. Fui a Belém depois do Círio de Nazaré, mas a cidade ainda estava no clima e vi uma exposição e assisti uma peça sobre o tema ali sem precisar pagar ingresso. E na minha última noite quando já não tinha mais esperanças de ver a dança do Carimbó, assisti também ali apresentação de danças folclóricas do Pará.
  
Estação das Docas em Belém

QUANDO IR

A Estação das Docas abre todos os dias. Veja detalhes de horários e programação no site. Fica bem ao lado do Mercado Ver-o-Peso na Av. Boulevard Castilho, s/n – Bairro Campina.
O local oferece algumas vagas de estacionamento pago para carros.
Há também um terminal turístico de passageiros para os passeios fluviais que são oferecidos por uma agência no local.

Restaurante Maresias, a cara de Manguinhos

Restaurante Maresias

O que eu mais gosto em Manguinhos é o bucolismo que se mantem mesmo com uma agitação ocasional de um balneário conhecido. As ruas ainda são de terra sem calçamento, as sua praias são preservadas com a vegetação de restinga, com bastante espaço para o banhista sem interferências urbanas e exagero de comércio. E ao mesmo tempo que tem essa característica simples, Manguinhos oferece boas opções de restaurantes e poder sair da praia com pé no chão para ir almoçar e continuar num ambiente natural é muito bom.
   
Restaurante Maresias

No Restaurante Maresias é assim. Ele é como se fosse uma extensão da praia, ou a praia uma continuação dele. Basta dá um passo e você chega numa grande área ao ar livre com arvores e algumas mesas e no centro uma casa simples onde funciona a cozinha. É como se você fosse almoçar no quintal de casa, à vontade. Só que esse quintal é da família de Dona Cecília que há mais de 30 deu início ao Maresias como um quiosque de praia funcionando somente Sábados, Domingo e feriados pois ela trabalhava durante a semana, e que segundo o seu filho David, quando o sol não aparecia era motivo para ela não abrir o quiosque e poder descansar.
    
Restaurante Maresias

Foi nesse ambiente que o David cresceu vendo sua avó e sua mãe preparando as receitas da família, principalmente as de frutos do mar. Veio então a vontade de transformar o Maresias em restaurante e abrir durante a semana toda, mas a vontade dele não era também da família. Esta situação só mudou quando se casou com Bia Fernandes que o apoiou e juntos iniciaram a transformação. 

A avó e família do David continuam morando no local, mas o quintal se transformou não só no restaurante, mas também ao Espaço Maresias onde acontece eventos. O filho de Dona Cecília, influenciado pela tradição culinária da família, hoje é o Chef David Santos e prepara os pratos que são servidos, como a moqueca capixaba que foi escolhida pelo Chef Ari Cardoso como uma das cinco melhores.
  
Restaurante Maresias

Visitei o Maresias mês passado com outros blogueiros de viagem que participaram do POCANDO NO ES e fomos recebidos muito bem com sorrisos, drinks e muita comida boa. E os pratos não poderiam ser mais capixaba, de entrada foi servido Tilápia encontrada no município de Serra. Depois teve Peroá que pra mim é o que mais combina em uma beira de praia. O peixe que já teve em abundancia no nosso litoral e que agora tem menos, se tornou um valorizado tira-gosto, foi servido em porção individual e precisei informar aos convidados que não era o prato principal, ficaram todos surpresos.
    
Restaurante Maresias

Só depois foi servido a estrela da gastronomia capixaba, a Moqueca de Badejo e acompanhada da moquequinha de banana da terra. O jornalista Cacau Monjardim nos anos de 1970 disse que moqueca é capixaba o resto é peixada e eu arrisco em dizer que moqueca capixaba para ser completa tem que ter a moqueca de banana.

Quando pensávamos que tudo já havia sido servido, chegou um arroz de marisco. Foi uma overdose de comida maravilhosa. Triste foi ver moqueca de qualidade sobrando na mesa, isto devido a quantidade servida. Ainda teve sobremesa, mas ai eu não acompanhei e fui direto para uma das redes que ficam à disposição dos clientes.
  
Restaurante Maresias

Todos os pratos fazem parte do cardápio e portando servidos no dia a dia do Maresias. O restaurante é de frutos do mar, mas há uma ou outra opção de carne e massa. Quanto aos preços vou pegar como referência o da moqueca de Badejo que costuma ser a mais cara. A partir de R$ 109,00 para duas pessoas com pirão, arroz e a moquequinha de banana.
  
Restaurante Maresias

A praia em frente tem um visual incrível, mas tem arrecifes o que pode ser ruim para quem gosta de sair nadando, mas próximo dali isto é possível. Na maré baixa os arrecifes formam ótimas piscina que principalmente as crianças adoram. Os internautas sentirão falta do Wi-Fi.

  

FUNCIONAMENTO

De terça a Domingo das 10 às 18 horas.
Avenida Atapoã, nº 01 - Manguinhos – Serra. Quando chegar ao centro de Manguinhos, vá até a praia vire à esquerda e siga até o final da praia.
Telefone: (27) 99901-6448.


OBS.: O almoço foi oferecido pelo restaurante aos participantes do Pocando no ES, mas isto não influenciou na minha opinião. 

Pocando ES

Ilha de Combu, a Amazônia em Belém

Ilha de Combu
Belém ao fundo vista do restaurante na Ilha de Combu

Belém é uma cidade grande, movimentada, trânsito e prédios. Mas ao seu redor contrastando com essa agitação estão inúmeras ilhas com vegetação da floresta amazônica abrigando comunidades ribeirinhas tradicionais que seguem num ritmo mais tranquilo. Bons recantos com gastronomia paraense e praias famosa como a de Mosqueiro. O problema é que muitas ficam distantes da área central da cidade e quem tem pouco tempo na cidade não consegue conhecer alguma delas.
  
Durante a viagem a Belém fiquei sabendo da Ilha de Combu, distante somente 10 minutos de navegação pelo Rio Guamá. É frequentada pelo belemenses nos finais de semana e pelos turistas que vão com o propósito de almoçar no restaurante mais famoso da ilha: Saldosa Maloca (assim mesmo com ’L’). Eu fiz o mesmo, mas no caminho descobri que ele não é o único restaurante que tem na ilha.

E depois, somente depois da visita, fiquei sabendo que a ilha é uma Área de Proteção Ambiental (APA). E que tem mais do que restaurantes, tem chocolate artesanal orgânico com direito a visita (Dona Nena - Filha de Combu), passeios ecológicos como trilhas e que é de lá que sai boa parte do açaí consumido em Belém. 
  
Ilha de Combu


Como foi a visita a Ilha de Combu

Depois que visitei o Theatro da Paz, Basílica de Nossa Senhora de Nazaré e o Museu Paraense Emílio Goeldi fiquei com a tarde livre. Já havia ido nos outros atrativos na cidade. Então lá mesmo no bairro Nazaré peguei um taxi e segui para a Praça Princesa Isabel no bairro Condor onde tem um porto. Não é longe dali, mas fica numa região mais simples da cidade. A praça estava vazia, mas logo foi aparecendo gente e não demorou muito para um barco sair.
 
No porto improvisado saem barcos para outros lugares, então diz logo ao barqueiro para onde quer ir para não parar em lugar errado. Acho que no grupo só eu parecia ser turista e o pescador já foi logo perguntando se eu ia para o Saldosa Maloca. Falei que sim pois só encontrei posts falando dele, mas perguntei se havia outros restaurantes e com preços melhores, falou que sim e me deixou onde ficou uns moradores locais. Parecia que já eram clientes, pois conheciam o dono. Então acho foi uma boa opção.
 
Os restaurantes são construções simples em palafitas com deque para o rio e com o quintal para os fundos. Se eu não estiver enganado o restaurante que fiquei é o Porta Abertas, ele não fica de frente para Belém como outros, para chegar a ele é preciso entrar em um braço de rio. Não sei se foi devido o horário, cheguei tarde, mas no restaurante havia pouca gente. Dele era possível ver o Saldosa Maloca que fica numa esquina, lá o movimento era grande. Acho que foi uma boa ter ficado ali. Era bem mais simples, mas fui bem atendido e o meu pedido não demorou.
 
Ilha de Combu
Um dos barcos usados na travessia

Já cheguei com fome e fui logo fazendo o pedido, não perdi a oportunidade de comer peixe, adoro peixes da Amazônia frito, grelhado ou assado, pode ser tucunaré, pirarucu, pacu, tambaqui, … . Pra quem não gosta de peixe tem opção de carnes. Os pratos são para duas pessoas e não fazem meia porção (eu estava sozinho), então não dei muita bola para os acompanhamentos (arroz, feijão,…) e dei mais atenção para o peixe. Não tenho fotos do prato, não costumo tirar fotos de comida e nem imaginava em fazer post sobre este assunto. Mas a comida é típica dos ribeirinhos, simples, mas muito gostosa e com preço bom.
 
Terminei o almoço e cai na besteira de deitar no banco da mesa e aí não teve jeito, o resultado foi um bom cochilo. Quando acordei ainda tive tempo para ficar ali de bobeira observando o fim de tarde naquele lugar tão perto do centro de Belém e tão diferente. Interessante ver que ali os rios e canais ganham outra dimensão,  são como ruas com grande movimentação de barcos. Alguns com passageiros, outros com famílias inteiras aproveitando a tarde de sábado. A cor da água não é bonita, é cor de barro, mas tanto adultos como crianças tomavam banho e usavam os deques dos restaurantes para pular. Um barco se aproximou e voltei para a Belém urbana.

QUANDO IR

Os restaurante na sua maioria funcionam nos finais de semana. Durante a semana é bom ligar para o que pretende ir para confirmar se está aberto.
A travessia custa R$ 5,00 por pessoa (R$ 10,00 ida e volta).

Passaporte 3 maravilhas dá desconto em atrativos de Foz do Iguaçu

20170824_150817_thumb

Desde de quarta-feira (1º) Foz do Iguaçu conta com um serviço existente nos principais pontos turísticos do mundo. O Passaporte 3 Maravilhas (Site Oficial) que permite que o turista compre, de uma só vez, a entrada para três atrativos da cidade: as Cataratas do Iguaçu, o Marco das Três Fronteiras e a Itaipu Binacional. Somando os descontos e outras vantagens, a economia passa dos 30%.  
 

“A união dos atrativos começou em 2007, quando foi criada a gestão integrada do turismo e, agora, dá um novo passo com o Passaporte”, afirma Alexandre Pacheco, da assistência da Diretoria Geral Brasileira de Itaipu. Segundo ele, a possibilidade de comprar os três ingressos destes atrativos de uma só vez, em um passaporte único, é uma iniciativa inédita do trade turístico de Foz.


Descontos e vantagens

O Passaporte 3 Maravilhas dá direito às entradas do Parque Nacional do Iguaçu e do Marco das Três Fronteiras, além da Visita Panorâmica, carro-chefe das atrações de Itaipu. A soma dos três ingressos para um visitante brasileiro seria de R$ 91. Com o Passaporte, o custo cai para R$ 79. Se contar os descontos nos estacionamentos e a gratuidade do Ecomuseu, que também vem com o combo, a economia total chega a R$ 44, no caso do turista nacional. Para cada faixa de preço (turistas estrangeiros, estrangeiros do Mercosul, estudantes, crianças e idosos) os descontos são diferentes.
 

Nos três atrativos, o visitante também terá 50% de desconto no estacionamento. Além disso, em Itaipu, é dada a entrada do Ecomuseu, e desconto de 10% em vários serviços, como as lojas, a fotografia, o bistrô no Mirante Central e o Restaurante Kattamaram. Os descontos também são de 10% nas lojas e restaurantes do Parque Nacional do Iguaçu (Porto Canoas) e do Marco das Três Fronteiras (Cabeza de Vaca).
 

Onde Comprar

O passaporte será vendido somente em guichês especiais, nos três atrativos. Atualmente, 75% dos visitantes que chegam a estes locais já compram os ingressos nos próprios guichês. O objetivo do Passaporte é fazer que o público visitante de um atrativo também se interesse por outros, aumentando, assim, a permanência do turista na cidade.


*Informações da Approach comunicações