Casarão da fazenda do Centro em Castelo

DSCF1532

 

Sai da gruta do Limoeiro e segui em direção ao centro de Castelo e logo poucos quilômetros depois vi a placa sinalizando o Casarão da Fazenda do Centro. Estava distraído e quase passei direto, entrei a direita em uma estrada de chão e quando pensei que estivesse longe ou não fosse encontrá-lo avistei um imponente casarão.

 

Não sabia nada sobre o lugar, só que constava como um dos atrativos do município de Castelo mas não li nada a respeito (até mesmo porque o site da prefeitura está com informações desatualizadas), e fui pensando que seria mais uma destas sedes de fazenda cafeeiras que temos aqui no estado e que não são aproveitadas turisticamente.

 

Quebrei a cara. Quando cheguei a fazenda não só estava aberta como havia visita guiada e lojinha funcionando. Primeiro fomos atendidos por uma jovem que passou as primeiras informações, e aproveitei logo para tirar uma dúvida: porque fazenda do centro se está distante 11 km do centro da cidade de Castelo?

 

Recebeu esse nome devido a posição geográfica e sua importância na época, ela servia de encontro dos grandes fazendeiros e era o centro dos acontecimentos e comemorações. Só deixou de ser com a construção da estrada de ferro que parou na estação (não existe mais) onde hoje é o centro da cidade e não chegou até a fazenda, mesmo sendo construída uma estação ferroviária (existe até hoje) no local mas que nunca foi utilizada.

 

Passadas as primeiras informações, a jovem (infelizmente esqueci o nome) nos acompanhou até a capela da fazenda dando início a visita guiada (taxa de visitação: R$ 2,00). A capela é grande e guarda um acervo litúrgico.

 

Depois da capela continuamos a vista com a Maria José, presidente do Instituto Frei Manoel Simón, da Ordem Agostiniana que adquiriu a propriedade e em 1910 dividida em lotes e assentou várias famílias. Esse acontecimento é considerado por muitos historiadores como a primeira reforma agrária do Brasil.

 

É o Instituto que administra e mantem o casarão, promove as vistas além de outras atividades culturais. Com parcerias conseguiu restaurar o casarão que estava em ruínas. Aliás, vendo as fotos do casarão antes das obras, fiquei impressionado com situação em ele se encontrava,  e feliz por terem conseguido recuperá-lo.

 

DSCF1533

 

DSCF1534

 

DSCF1536A capela da fazenda está onde era o salão de festas.

 

A fazenda foi fundada em 1845 e teve como primeiro proprietário Antônio Vieira Machado da Cunha. Viveu o tempo áureo do café com a mão de obra escrava. Com a abolição da escravatura em 1888 a fazenda entrou em declínio sendo vendida várias vezes. Ficou praticamente abandonada até ser adquirida pelos Agostinianos no início do século XX, funcionando como seminário para a formação de jovens religiosos. Foi tombado pelo Conselho Estadual de Cultura em 1984, como Patrimônio histórico e cultural.

 

O casarão é imenso com muitos cômodos, alguns deles são utilizados pelo instituto como salas de trabalho, auditórios onde acontecem reuniões e cursos. Outros cômodos estão sendo preparados como espaços de exposições.

 

DSCF1538

 

DSCF1540

 

DSCF1542

 

DSCF1558

 

DSCF1559

 

DSCF1561

 

DSCF1562Varandas fechadas.

 

DSCF1567

 

O último lugar a ser visitado foi a lojinha de produtos regionais. Nela estão duas senhoras bem simpáticas da comunidade local oferecendo orgulhosas os artesanatos feitos por elas.

 

Do Casarão fui ao centro de Castelo para ver os tapetes que enfeitam as ruas e também para almoçar. A cidade estava lotada, e a imagem que eu tinha de um lugar quente e tumultuado só piorou. Quanto ao almoço me arrependi de não ter almoçado nos restaurantes que vi no caminho.

 

Antes de começar a missa campal eu e Marise saímos da cidade para não pegarmos trânsito no caminho de volta para Vitória. Nesse dia só visitei a Gruta do Limoeiro e a Fazenda do Centro, mas o município oferece outros atrativos turísticos. Voltarei para conhecer s outros lugares.

 

Visitas ao Casarão da Fazenda do Centro:

Para quem estiver na cidade de Castelo é só seguir pela rodovia ES 166, depois de 8km entrar a direita numa estrada de terra.

Aberto ao público de quartas às sextas-feiras, de 13:00 as 17:00 horas e aos sábados e domingos de 10:00 as 12:00 horas e de 14:00 as 17:00 horas. Sugiro entrar em contato antes.

Instituto Frei Manuel Simón: (28) 3542-0394 (http://ifms.org.br/)

Tenha mais informações sobre a cidade de castelo no Site da Prefeitura: http://www.castelo.es.gov.br/site/

2 comentários :

  1. Muito bom, professor! Estudo que vou procurar levar amanhã para o guiamento em Castelo :)

    ResponderExcluir