SANTO AMARO DO MARANHÃO–FINALMENTE OS LENÇÓIS

DSCF6456

Depois de quase 7 horas de viagem (leia aqui como foi), finalmente cheguei a Santo Amaro. Cidade que até o dia anterior não estava confirmada no meu roteiro e acabei ficando duas noites. Na mesma viagem chegou um casal de amigos, o Zé Maria e a Miriam. Estávamos sem reserva de hospedagem, então o pessoal da Toyota que nos trouxe de Sangue  nos levou a quatro pousadas para escolher onde ficar. Escolhemos a Hospedaria São José, onde fomos recebidos pela Marineide com um sorriso e um gostoso suco de maga. A pousada era também a moradia da sua família.

Admirados
Contemplando.

Depois de resolvido a hospedagem, o que eu mais queria era ver logo algum passeio para o Parque dos Lençóis, estava ansioso para conhecer o motivo que fez eu viajar até ali. Mas tive que esperar, pois na cidade não tem agências de turismo onde você vai e providencia o passeio. São as pessoas das pousadas que procuram alguém e ver o visitante quer fazer. Cheguei a pensar que não conseguiria fazer nenhum passeio naquele dia pois não havia movimento. Mas a Marineide se comprometeu de conseguir.

Eu e meus novos companheiros de viagem ficamos na varanda bebendo cerveja e nos conhecendo. O Zé Maria era de São Luís e trabalha com cultura e a Miriam era paulistana mas mora em Campo Grande no mato Grosso do Sul e trabalha na área de saúde.

Cenas da região.
Cenas do parque.

Como em Santo Amaro também não tem restaurantes, você tem que fazer as refeições nas pousadas. Nos recorremos a Marineide, e como foi pega de surpresa, ela foi logo se justificando dizendo que só tinha peixe. Eu como estou acostumado com peixe de mar e ali era de rio, para não ter erro pedi frito. Os meus companheiro pediram cozido, e na hora que fomos almoçar havia sobre a mesa uma deliciosa refeição. Marineide havia preparado robalo frito, cozido e de too tipo. Eu acabei comendo de todo jeito.

Brincado na lagoa.
Crianças de Santo Amaro pedindo fotos.

Após o banquete, chegou o Carlos Celso, o nosso guia de passeio da tarde. Como já passava das 14 horas, a proposta foi de que conhecêssemos as lagoas próximas sem precisar entrar muito no parque. Assim iríamos andando mesmo só com o acompanhamento do Carlos. Ele cobrou pelo passeio R$ 30,00. Esta é uma característica de Santo Amaro, os valores são menores pois lá não tem um grande fluxo de visitantes, mas os preços são por passeio e não por pessoa, então se você estiver sozinho vai ter que procurar alguém ou desembolsar para passeios mais caros. O Zé Maria e a Miriam apareceram na minha viagem na hora certa.

Imagens incríveis.

Imagens incríveis 2.


Acompanhados pelo Carlos saímos para o passeio. Estávamos hospedados no lado oposto a entrada do parque, por isso atravessamos a cidade, mas foi só sair do perímetro urbano (se é que pode ser isso) e já colocamos o pé nas dunas do parque. É como se o parque fosse o quintal da cidade e a areia estivesse querendo entrar. Lembrei logo de Itaúnas no norte do Espírito Santo, uma vila de pescadores que foi coberta pela areia devido ao desmatamento na região.

Lagoa.

Durante o passeio o Carlos ia contanto curiosidades, histórias e estórias da região. Apesar de não ser nativo de Santo Amaro, ele conhecia bem e demostrava gostar de fazer aquilo. Ele havia sido chamado para trabalhar em uma loja de móveis, mas tem esperança de poder viver do turismo na região, mesmo a realidade mostrando outra coisa (pelo menos por enquanto). É casado, tem filhos e na região, metade do ano chove e nessa época não tem visitantes.

Lagoa 2

Assim que chegamos ao Parque, subimos uma ladeirinha nas dunas para alcançar o alto, e foi só chegar lá para eu ficar admirado com o que eu via dos Lençóis. E olha que só ficamos nas proximidades da cidade, não entramos realmente ao parque. E com aquela visão concluí que foi a melhor coisa ter incluído na última hora Santo Amaro no meu Roteiro da viagem ao Maranhão. A viagem até a cidade não é confortável  mas justamente a dificuldade para chegar, inibe a presença de muita gente e faz com que ali o Parque dos Lençóis Maranhenses seja mais tranquilo e isso proporcionou uma sensação de imensidão e silêncio que não consegui em outros lugares mais pra frente.

Andamos por ali, entramos em lagoas que nem me lembro o nome e só retornamos à pousada após o por do sol. O que eu vi no meu primeiro nos Lençóis Maranhenses foi maravilhoso e isso só fez eu querer ver muito mais.

Imagens incríveis 3.

Imagens incríveis 4.

Carlos Celso.
O nosso guia Carlos Celso.

Pôr do sol 2

Eu no pôr do sol

Pôr do sol 4


Leia tudo sobre a minha viagem ao Maranhão AQUI.

UM POUCO MAIS
Tem pousadas e estão construindo mais. Nós visitamos quatro antes de escolher. Fomos primeiro na Hospedaria Lagoa Azul (havia boas referências na internet, mas era uma casa toda construída aos lados), depois fomos na Hospedaria São José (também com boas referências), uma casa com quintal grande e bem arejada. Visitamos a Pousada Areias, a mais barata de todas, porém não ficamos nela pois era rústica demais. Por fim fomos até a Pousada Cajueiro, a melhor e mais bonita que visitamos, mas disparado a mais cara. Optamos pela Hospedaria São José 98 8844 -7651.

Fiz contato com todas elas, e duas ali na hora sem saber quem eu era deram um preço melhor sem eu pedir. Então significa que na hora tudo pode melhorar. Gostei muito da São José, o tratamento é bom, comida boa (R$ 15,00 o almoço), café da manhã simples (mas tem tapioca) e quarto com ar condicionado e banheiro privativo (R$ 60,00 a diária).

Santo Amaro do Maranhão  é uma cidade com um pouco mais de 13 mil habitantes, mas parece mais um povoado (não fale isso perto dos moradores) afastado sendo imprensado pelas as dunas dos Lençóis. Tem somente algumas ruas calçadas, uma praça central grande onde está a igreja católica e ao redor, a delegacia e algum comércio. Banco não tem, então vai preparado e leve dinheiro. O máximo que você vai encontrar é um caixa do Bradesco aberto sem ninguém na porta e sem dinheiro também, e um banco postal, que é um serviço bancário dos Correios.

À noite fui até a praça central de Santo Amaro para comer alguma coisa, e interessante pois os moradores ficam sentados em frente das casas conversando e a medida que eu ia passando, todo mundo identificava o forasteiro e me acompanhavam com os olhos. Naquele dia havia morrido um morador da cidade, então especialmente naquela noite todos estavam nas calçadas esperando o morto chegar. E como disse o meu amigo Zé Maria, estavam até aqueles que nunca esperaram por ele enquanto vivo.

4 comentários :

  1. Boa noite Marcelo,
    Pode informar por favor quando você fez essa viagem para Santo Amaro ?
    obrigada,
    Denise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise, obrigado pela visita ao meu blog.
      Eu fiz a viagem ao Maranhão em junho deste ano. Fui a Santo Amaro no dia 16 e por dois dias.
      Um abraço.

      Excluir
  2. Pretendo conhecer os Lençóis em Junho.Santo Amaro não estava nos meus planos, mas após ler seu relato,me animei.
    Vc saberia me dizer a que horas a van que vai até Sangue passa no aeroporto? Eu chegaria por volta das 03:30 da manhã.
    Obrigado pela atenção,
    Paulo

    ResponderExcluir
  3. Olá, não tenho como afirmar, mas é por volta das 04 horas da manhã. Leia aqui no blog o post http://www.guiaeturismo.com/2014/07/indo-de-sao-luis-santo-amaro-do-maranhao.html. Lá tem mais informações e contatos. Um abraço.

    ResponderExcluir