Meu primeiro dia em Roma

Roma

 

Embarquei às 12h27min, na estação Santa Lúcia em Veneza. Entrei no trem e foi automático, dormi. Acho que estava cansado pois não sou de dormir durante viagem e principalmente de dia, mas foi mais forte que eu. Acordei ouvindo “buon giorno” “buon giorno”, era o fiscal pedindo a passagem para conferencia. A exemplo de outros países, na Itália você não apresenta a passagem no embarque em viagens dentro do país, o fiscal passa durante a viagem e confere se você tem mesmo a passagem. Se não tiver paga uma multa altíssima.

 

O trem no início estava vazio, mas ele não era direto, parava em Mestre, Padova, Bolonha e Firenze. E à medida que parava entrava mais gente, chegando incomodar um turista (eu) cansado e com sono. A exemplo do trecho Madrid para Barcelona, eu viajei na 2ª classe mas o trem espanhol era muito melhor. No trem italiano as poltronas ficam uma de frente para a outra com uma mesa no meio, assim não dá para esticar as pernas se tiver alguém sentado na sua frente, e o conforto das poltronas é bem inferior. Não é atoa que uma amiga chama a empresa de trem italiana TRENITÁLIA de GENITÁLIA.

 

De Veneza a Firenze a viagem foi bem movimentada e barulhenta, mas depois a viagem foi direta sem entra e sai e ficou mais tranquila. Confesso que estava ansioso para chegar a Roma, mas o trem chega por uma parte feia e quando se aproximava da estação eu me perguntava “cadê a Roma que eu sempre ouvi falar na escola, na igreja, que li nos livros?” a chegada foi um balde de água fria na expectativa que criei.

 

Roma

Fonte das Náiades (Fontana delle Naiadi) na Praça da República. Ninfas aquáticas com poderes de cura e de profecia

j

Às 16h13min cheguei na Estação Termini como estava marcado na passagem. Ela é grande e bem movimentada, é outro lugar que precisa de uma atenção. Desembarquei e fui logo procurar o Hostel Legends. Devido o que li sobre a região, eu andei meio tenso, mas o albergue ficava num lado mas tranquilo e situado entre restaurantes e comercio em geral. Ele é dividido em três partes, a recepção fica em um prédio, alguns quartos ficam em outro prédio (onde fiquei) e o café da manhã é servido em outro. Mas é um colado no outro e tem elevador. Dividi o quarto com mais 07 pessoas de várias nacionalidades, pois todo dia mudavam as pessoas. Havia até um mineiro que foi fazer intercambio em Londres e estava agora viajando pelo mundo.

 

Aproveitei o fim de tarde para conhecer alguns atrativos pertos dali e ver se mudava a impressão inicial que tive de Roma. Sai andando e percebi que tive sorte na localização do albergue pois o outro lado da Estação Termini era bem esquisito. Percebi também que teria que ter mais atenção nas ruas pois o trânsito de Roma é maluco, os carros não param nem em sinal fechado e você tem que sair desviando deles se quiser chegar ao outro lado.

 

Roma

 

P1070782

 

Peguei o mapa da cidade na recepção do albergue e fui andando até a Praça da República, um lugar bem movimentado onde é possível ver a correria do dia a dia do romano. A praça é rodeada por belas construções e no centro fica a Fontana delle Naiadi (uma das várias fontes da cidade de Roma). Aproveitei e visitei a Basílica de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri que fica ali na praça.

 

Para satisfazer a demanda da população que crescia nessa parte de Roma, o imperador Maximiano, que dividia o poder com Diocleciano, mandou construir um complexo de banhos entre 298 e 306, ao voltar da África. Com quase 400 metros de lado, podia acomodar três mil pessoas. Quando o papa Pio IV deu o local aos monges de Santa Cruz em Jerusalém, Michelangelo converteu o salão central dos banhos na Basílica de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri (Santa Maria dos Anjos). O trabalho começou em 1563.

 

Roma

Palazzo delle Esposizioni

j

Roma

  Igreja de Santa Catarina e a Torre da Milicia

j

Da Praça da República continuei pela via Nazionale, uma avenida que começa ali e vai até a Praça Veneza. Possui prédios comerciais, hotéis, bancos e museus. Parei em frente a um prédio que chamou a minha atenção, era o Palazzo delle Esposizioni, um centro cultural com cinema, teatro, museu, restaurantes e auditórios. Cheguei até o largo Magnanapoli, onde fica a Torre delle Milizie (Torre da Milícia), construída nas ruinas do Mercado do Trajano (imperador de Roma). Dali eu virei a direita e cheguei a Piazza del Quirinale.

 

Na Piazza Del Quirinale (Praça do Quirinal – nome do monte onde está localizada) está a sede da Presidência da República Italiana. No centro da Praça está a Fonte do Dioscuri (personagem da mitologia grega, filhos de Zeus) com um Obelisco. Em frente do obelisco está o Palácio do Quirinal que já foi o residência de verão dos Papas e hoje é a residência oficial do Presidente da Itália.

 

Roma

 P1070805Fonte do Dioscuri.

 

Sai dali por uma rua lateral e comecei a passar por uma parte da cidade com ruas estreitas e desalinhadas de um bairro que me pareceu bem tradicional, assim cheguei a um ponto turístico muito procurado pelos turistas do mundo inteiro, a Fontana de Trevi (Fonte dos Trevos), a fonte mais bela de Roma. Estava tomada por turistas, aliás por onde passei na Itália havia muitos turistas, entre eles muitos brasileiros.

 

A fonte situava-se no cruzamento de três estradas (tre vie), marcando o ponto final do Acqua Vergine, um dos mais antigos aquedutos que abasteciam a cidade de Roma. Os romanos tinham o costume de erguer uma bela fonte ao final de um aqueduto que conduzia a água para a cidade.  Por isso um simples aqueduto se transformou em uma obra de arte barroca, com muitos detalhes em alto relevo.

 

Roma

 

Roma

 

Depois de disputar um espaço para conseguir uma foto na Fontana de Trevi, segui por uma rua do bairro a direita da fonte e cheguei em outra praça. Era a Piazza Colonna com a coluna de Marco Aurélio no centro e rodeada por prédios do poder político do país (a Itália tem presidente e primeiro ministro).

 

Segui pela Via Del Corso e avistei um monumento parecido com um bolo de casamento, fui ver o que era e cheguei na Piazza de Venezia (Praça Veneza). Uma região com um trânsito intenso, com grandes construções ao seu redor.  O imponente monumento era o Monumento Nacional a Vitor Emanuel II (rei da itália), que abriga um museu.

 

RomaColuna de Marco Aurélio.

 

RomaMonumento Nacional a Vitor Emanuel II.

 

Eu precisava ir embora tomar um banho e descansar, mas a curiosidade era grande. Dali vi umas construções que me chamaram a atenção (comum em uma cidade como Roma), fui seguindo a curiosidade e passei pelo Fórum Romano (ou o que sobrou dele) e outras construções da Roma Antiga. Acabei chegando ao Coliseu, que fica perto dali, e ao lado dele estava o Arco de Constantino. Voltei a esses lugares em outro dia para a visita.

 

Roma

Fórum Romano 

 

RomaColiseu

 RomaArco do Constantino.

 

Do Coliseu peguei o metro na estação ali perto e retornei a Estação Termini. O metro de Roma foi o pior que eu andei, ele é sujo e cheira mal. Na Estação Termini tem um centro comercial com bares, várias lojas, restaurantes, lanchonetes e supermercado. Aproveitei para fazer um lanche  e depois fui para o albergue, apaguei.

 

Veja AQUI como foi o meu dia no Vaticano. E AQUI o meu roteiro de viagem por Portugal, Espanha e Itália.

0 comentários :