Primeiro dia em Porto

Porto

 

Depois de visitar Fatima (LEIA AQUI), viajei mais duas horas e cheguei a cidade de Porto. No inicio achei uma cidade sombria, a começar pela rodoviária que parecia mais um galpão de depósito. Alias, as estações de metro e comboio que conheci em Portugal são bonitas e bem cuidadas mas as rodoviárias são bem esquisitas.

 

Fui procurar a minha hospedagem andando e tive que caminhar bastante. Não fazia ideia das ladeiras de Porto.  Fiquei no Residencial Bela Star no alto da rua da Alegria, fui bem atendido, o quarto era bom, silencioso e o local era limpo mas ficava longe. Deixei a mochila, peguei um mapa e sai. Mas não sabia pra onde ir.

 

Parei então no restaurante Marinho perto do residencial, pedi um imperial e fiquei ali estudando o mapa. Ao sair do restaurante fiquei na porta olhando o cardápio quando se aproximou um funcionário para falar dos pratos. Ele percebeu que eu era de fora e foi dando dicas de lugares e transporte da cidade, deu pra mim até um cartão de recarga do metro. Foi tão gente boa que prometi que voltaria para jantar no restaurante dele. A impressão boa que tive dos portugueses estava de volta.

 

Porto

 

Fui então descendo a rua da Alegria e desvendando a cidade de Porto. Mesmo que não quisesse na minha cabeça eu ia comparando Porto com Lisboa. Por alguns lugares que passei, Porto era mais escura, apresentava uma arquitetura mais clássica, uma cidade conservadora assim como o povo que encontrei, o trânsito era mais barulhento e alguns lugares sujos. No primeiro momento fiquei confuso em andar pela cidade. Lisboa é uma cidade clara com avenidas largas e um trânsito sem buzinas.

 

Continuei descendo e cheguei a Catedral da Sé da cidade de Porto. Em frente a catedral tem um posto de informação turística, lá fui atendido por uma moça sorridente e atenciosa que passou dicas dos pontos turísticos. Visitei a Catedral que é imensa e comecei a descer os becos próximos dali.

 

Porto

Fachada principal da Catedral.

 

 

Porto

Palácio Episcopal.

 

Porto

Becos e ruelas de Porto.

 

Cheguei na região mais bonita de Porto, a Ribeira. Um local típico junto ao rio, com sobrados antigos, bares e restaurantes na calçada. E servindo de portal sobre o rio Douro a ponte D. Luís, a mais antiga da cidade. Aquela era a imagem que eu tinha de Porto, foi essa imagem que fez eu ir conhecer Porto. Em tudo que lia sobre a cidade sempre via fotos desse lugar e elas chamavam muito a minha atenção, e realmente o visual é maravilhoso.

 

Na Ribeira você tem que parar, não pode só passar, então eu parei. Sentei em um café praticamente em baixo da ponte, e simplesmente fiquei ali. Meu amigo imperial, lógico, me fez companhia. Com o fim da tarde os sobrados começaram a fazer sombra e assim foi ficando frio, era hora de sair.

 

Porto

   

Porto

Cais da Ribeira com seu bares e restaurantes.

 

Porto

Os sobrados da Ribeira e as Muralhas Fernandinas construídas no século XIV, um cinturão medieval que protegia a cidade.

 

Porto

A única porta que sobrou das 18 existentes nas Muralhas Fernandinas.

 

Porto

Capela de Nossa Senhora do Ó no Largo do Terreiro, na Ribeira.

 

Porto

Uma das construções tradicionais da região da Ribeira.

 

Sai da Ribeira passando pelas estreitas ruas comerciais e cheguei ao Jardim do infante D. Henrique, local que foi o centro de negócios da cidade tendo como símbolo maior desta época o Palácio da Bolsa. Além do Palácio existem outras construções de interesse ao redor do jardim.

 

Porto

Bonde histórico usado em uma das 03 linhas existentes na cidade. Ao fundo a igreja de São Francisco.

 

Porto

Igreja de São Nicolau.

 

Porto

Palácio da Bolsa construído em 1842, foi sede da  Associação Comercial do Porto. Hoje serve para os mais diversos eventos da cidade.

 

Porto

Jardim D. Henrique, tendo ao centro um monumento em homenagem ao Infante de Portugal.

 

Porto

Mercado Ferreira Borges é um edifício histórico da cidade do Porto que hoje é um espaço multiusos.

 

Devido a geografia da cidade, essa região não tem o serviço de metro. Então tive que encarar mas ladeiras e ir caminhando até a Estação Ferroviária São Bento que também tem linha de metro. Começava a anoitecer e sem o trânsito barulhento do dia, a cidade ia ficando mais interessante. Pude então observar melhor suas ruas e construções.

 

Cheguei até a Estação de São bento. O prédio foi construído no local do antigo Convento de São Bento depois da extinção das ordens religiosas. Inaugurado em 1915, O prédio merece uma visita não só pela sua impressionante fachada mas também pela sua recepção coberta por mais de 550 m² de azulejos com painéis representando cenas da história nacional.

 

Porto

Prédio da Estação Ferroviária São Bento.

 

Porto

Recepção da estação com suas paredes revestidas por mais de 20 mil azulejos.

 

Porto

Não tem catracas para entrar nos comboios.

 

Perto dali fica a Avenida do Aliados rodeada por prédios e monumentos históricos como a estátua de Dom Pedro IV e a Câmara Municipal do Porto. Desisti de pegar o metro e aproveitei para ir conhecer o lugar. Se durante o dia o cais da Ribeira é, na minha opinião, o lugar mais bonito de Porto, a Av. dos Aliados com a sua iluminação é lugar  mais bonito durante a noite.

 

O lugar oferece vários cafés. Quis ficar ali e aproveitar para jantar, mas lembrei da promessa de jantar no restaurante Marinho. Então peguei o metro ali na estação Aliados e fui provar o bacalhau do Porto. A porção era mais generosa que a de Lisboa, mas menos saboroso.

 

Porto

Início da Avenida dos Aliados com a estátua de Dom Pedro IV.

 

Porto

Avenida dos Aliados.

 

Porto

Bacalhau à Lagareiro do restaurante Marinho.

0 comentários :