Mercado Capixaba de Artesanato de Vitória

Este post faz parte da série sobre os atrativos divulgados no MANUAL PARA ATENDIMENTO AO TURISTA da prefeitura de Vitória. Este manual foi distribuído para profissionais que atuam no atendimento ao turista como motoristas de taxi, recepcionista de hotel e guias de turismo entre outros. Ele contém informações sobre a cidade, seus pontos turísticos e mapas. Eu resolvi visitar os atrativos seguindo as orientações e a ordem colocada no manual dos atrativos turísticos. Neste post escrevo sobre o Mercado Capixaba de Artesanato.

P1040687

Fui na terça feira visitar o Mercado Capixaba depois de muito tempo.  O mercado funciona em um prédio que ocupa uma quadra e foi inaugurado em 1926 para substituir o antigo mercado municipal. O prédio na fachada principal possui dois pavimentos e chama atenção pela sua arquitetura eclética. A parte superior do prédio não funciona nada desde o incêndio em 2002, e também por causa disto está sem telhado e em situação de abandono.

Quando cheguei fui para o interior do prédio que era o que me interessava de início. Logo quando entrei já fiquei decepcionado quando vi paredes mofadas e perdendo a pintura, olhei para cima e vi um telhado improvisado e a medida que ia entrando mais, eu pensava “como indicam o mercado nesta situação no manual como lugar para levar turistas?”.

Parte da área do pátio interno serve de estacionamento de carros de órgãos municipais, outra parte tem um galpão com telhado metálico saindo totalmente da arquitetura do prédio. Nesta parte coberta encontrei um acervo de artesanato distribuído em algumas prateleiras e entre elas um senhor sentado na espera de que eu fosse um cliente que saísse dali com alguma compra.


P1040653
P1040668
P1040669

Cumprimentei o senhor e pedi autorização para tirar algumas fotos, coisa que aceitou sem nenhum problema. Fui tirando fotos das peças e quando vi estava conversando com o ‘seu Mauricio’ que foi contando a sua historia e a situação do Mercado Capixaba.

Mauricio contou que chegou em Vitória em 1978 vindo de Feira de Santana, na Bahia, e quis abrir uma loja em Vitória. Quando viu o prédio do mercado, ficou interessado por uma loja externa, e quando viu o pátio interno também se interessou pela área. Segundo ele o pátio estava abandonado, então buscou informações sobre o local.

Foi quando ficou sabendo que no local tinha funcionado um mercado de peixe e verduras que abastecia a cidade de Vitória, e que onde hoje  é a Av. Princesa Isabel era mar e os barcos chegavam até a porta dos fundos para descarregar o pescado. Com o surgimento de outros mercados na cidade, o Mercado Capixaba foi perdendo a sua importância até ficar desativado. E assim o pátio interno serviu de local para desocupados e hippies. Mas como seu Maurício estava interessado no local, foi atrás do antigo responsável pelo pátio e comprou dele o direito de usar o local. Passou então a trabalhar com artesanato vindos da Bahia.

P1040657 

Desde então ele nunca mais saiu do local e garante que hoje a maioria das peças que vende é de artesãos capixabas, tendo de fora do estado somente aquilo que não encontra aqui. O prédio pertencia ao Estado do Espírito Santo e depois passou a pertencer a Prefeitura de Vitória.

Seu Maurício fala com pesar da situação que se encontra o prédio. Diz que já participou de vários eventos fora do estado para mostrar a arte e culinária do Espírito Santo para desenvolver o turismo. Já presenciou eventos realizados ali mesmo dentro do mercado, com políticos, onde projetos e contratos de revitalização do mercado foram assinados e que não aconteceram.

A parte superior do prédio desde o incêndio em 2002 está em situação de abandono e sem telhado. Mas no início funcionou um hotel, depois passou a ser a sede da Rádio Espírito Santo com programa de auditório, e que segundo Maurício, hoje ainda aparecem pessoas ali relembrando das histórias dos programas da Rádio que eram disputadíssimos. Por último funcionou a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo que foi quando imaginávamos que dariam uma atenção ao Mercado Capixaba.

P1040659

P1040662

P1040663

P1040665

P1040666

Sai do Mercado Capixaba perguntando como podem deixar um patrimônio com o valor histórico que tem e um ótimo lugar para levar turistas nesta situação? como querem que o turismo receptivo em Vitória cresça se não cuidam dos locais que temos? não basta ter atrativo turístico, tem que transformá-lo em produto turístico e com estrutura para receber as pessoas. Hoje o Mercado tem uma estrutura precária de banheiro e não oferece lanchonete.

O mercado Capixaba que possui duas entradas, uma pela Av. princesa Isabel e outra pela Av. Jerônimo Monteiro. Funciona de segunda a sexta das 09 às 18 horas, e aos sábados das 9 às 14 horas. Lá você vai encontrar peças em madeira, barro, conchas do mar, cestos entre outras peças de artesanato.

Para chegar lá de ônibus é fácil, basta pegar qualquer ônibus que passe pela Av. Jerônimo Monteiro ou pela Av. princesa Isabel, como as linhas 0163, 0212, 0122, 0213, 0103, 0121, 0102 entre outras. De carro a pessoa terá que disputar uma vaga de estacionamento no centro da cidade.

Hoje o mercado recebe principalmente turistas que ficam hospedados nos hotéis do centro da cidade.

 
P1040686

Na parte externa do mercado tem várias lojas onde funcionam farmácias, lanchonetes, lojas de calçados, etc... Mas uma loja chamou a minha atenção quando cheguei ao mercado, por isso quis voltar nela para conhecê-la. Era uma loja de discos de vinil com um grande acervo de discos antigos e com as paredes todas cobertas de fotos de cantores e capas de discos.

Entrei e logo depois saiu lá dos fundo da loja um senhor barbudo e falante que veio me cumprimentar. Era o Valter Vieira mas conhecido como Golias, dono da mais famosa casa de discos de Vitória, a Golias Discos que em 1998 teve que fechar as portas depois de 27 anos de funcionamento.

 P1040678

Quem entra na loja fica fascinado com a coleção de discos e pela paixão de Valter pelo vinil. Ele estava vibrante com a pequena loja que abril no Mercado Capixaba há 03 meses, e está esperançoso com a volta do vinil no Brasil que já conta com uma fábrica, a Polysom, aberta este ano depois do aumento do gênero na Europa e nos Estados Unidos.

P1040676

P1040684

P1040674

P1040681


Veja também:
Vitória 459 anos! Mercado da Vila Rubim
Vitória 459 anos! Parques
Vitória 459 anos!

0 comentários :