JUNHO: viva São João!

Estamos na época das melhores festas do ano, as festas juninas! As festas de Santo Antônio, São João e São Pedro são comemoradas em todas regiões do Brasil, mas é no nordeste que elas são mais expressivas e tem o nome de festa de São João, não importando que santo comemore no dia. As cidades do nordeste onde se comemora o São João chegam a ter um calendário escolar diferenciado do restante do Brasil mudando as férias de julho para junho. As prefeituras investem pesado em grandes atrações para atrair o maior número de pessoas e com isso o dinheiro que fica na cidade.

Já tive oportunidade de participar de festa junina no nordeste em três cidades diferentes onde elas são bem tradicionais. E é muito bom o São João no nordeste. Pra começar o nordeste todo muda com o colorido próprio da festa. Até lugarejos mais pobres e sem tradição em festa junina se enfeitam no mês de junho mudando a paisagem do lugar.

São João em Amargosa em 2009. Foto de internet.

Na Bahia participei do São João na cidade de Amargosa. Cidade que fica a 235 km de Salvador com uma população de aproximadamente 35.000 habitantes recebe em média 60.000 pessoas por dia de festa que acontece na Praça do Bosque. O que me chamou atenção nesta festa foi a tradição dos moradores de receberem os visitantes em suas casas com licor e amendoim torrado. Licor este que é preparado um ano antes do seu consumo. Na ocasião eu estava com um cunhado que é da cidade e fui com ele visitar as pessoas que ele conhecia, no final do dia voces podem imaginar como eu estava com tanto licor na cabeça.

Algum tempo depois que conheci o São João de Amargosa, tive oportunidade de conhecer o São de Caruaru em Pernambuco e o São João de Campina Grande na Paraíba no mesmo ano. As duas cidades disputam o título do melhor São João do Brasil.

Para ir até estas festas fui numa excursão rodoviária para o nordeste feita especialmente em junho. Peguei carona na viagem de uma guia amiga, Ângela Pretti (olha eu de carona de novo). A viagem dela saiu de Vitória e foi até Fortaleza passando em vários lugares durante 17 dias.

Saímos de Vitória de manhã e 24 horas de viagem depois chegamos em Aracaju. Fomos para o hotel e no fim da tarde Ângela fez um tour pela cidade indo até o mercado. Como eu estava cansado da viagem e já conhecia o mercado de outras viagens, descansei um pouco no hotel e depois dei uma volta na praia de Atalaia, um cartão postal de Aracaju. À noite fomos dançar um forró pé de serra, ainda não estava acontecendo o arraial da cidade.

No dia seguinte fomos para a cidade de Canindé de São Francisco no sertão sergipano na divisa com Alagoas. Como chove muito no mês de junho, o interior estava verde. 

A tarde fizemos um passeio pela região visitando o lugar onde Lampião foi morto e a cidade de Piranhas onde ele teve, depois de morto, a sua cabeça exposta. Dormimos uma noite em Canindé e no dia seguinte fomos para Caruaru em Pernambuco.  

Fizemos algumas visitas durante a viagem e por isso chegamos em Caruaru já no início da noite. Fomos para o hotel e um tempo depois fomos para a famosa festa de São João. É simplesmente maravilhoso o São João de Caruaru. Eles montam um verdadeiro arraial no centro da cidade, com atrações distribuídas por vários pólos com shows de grandes artistas nacionais, artesanato, concurso de quadrilha e vários ambientes mostrando a cultura nordestina. Sem contar com a culinária nordestina que é um show a parte com arrumadinho, baião de dois, escondidinho, carne de sol, farofa...
São João em Caruaru em 2009. Foto de internet.

Pela programação da Ângela, no dia seguinte teria uma visita ao Alto do Moura, um pólo de artesanato e depois seguir viagem para Recife. Mas eu não podia ficar só uma noite naquela festa, estão fui ao polo de artesanato, visitei o museu do mestre Vitalino e na hora de ir para Recife me despedi do pessoal e fiquei na cidade.

Saí do hotel onde estava hospedado pois além de ser distante da festa era caro, e fui para um hotel no centro da cidade bem simples porém barato e perto da festa. Aproveitei mais uma noite do São João de Caruaru.

Como a festa no pátio só acontece a noite, de dia aproveitei para visitar o museu do sertão, a famosa feira de Caruaru cantada pelo mestre Luiz Gonzaga e o desfile de drilhas que saem pelas ruas ao som de um trio elétrico tocando forró. Drilhas são quadrilhas imensas e irreverentes como a gaydrilha, machadrilha, turisdrilha e pirandrilha.

Depois de duas noites em Caruaru no agreste pernambucano, cidade com 300.000 habitantes, viajei 140 km até Recife. Lá eu tinha o objetivo de conhecer o trem do forró, outra atração que só tem na época do São João. 02 horas de viagem e cheguei na rodoviária da capital, peguei um taxi e fui para o marco zero no Recife antigo. Cheguei lá e a animação já tomava conta do lugar. Encontrei com Ângela que já estava com o meu ingresso e entramos no famoso trem do forró.

Trem do forró em Recife.

O trem do forró sai de Recife e viaja 02 horas até a cidade de Cabo de Santo Agostinho. Em todos os seus vagões tem um trio de forró animando a viagem inteira sem parar. Na praça de Cabo de Santo Agostinho tem mais forró com comida e bebida, e depois de mais ou menos uma hora e meia começa a viagem de retorno para Recife com mais forró no trem. É maravilhoso!

Depois desta maratona de forró, fui com o grupo para o hotel e nem pensei em sair do quarto. No dia seguinte saímos de Recife para Natal no Rio Grande do Norte, mas eu não estava convencido de ir pra lá. Eu não tinha nada pra fazer em Natal, então quando estávamos passando pela região de João Pessoa, capital da Paraíba, pedi aos motoristas Grilo e Valmir para pararem o ônibus e mais uma vez eu despedi do grupo e desci do ônibus.

João Pessoa é uma cidade que eu conhecia pouco pois nas excursões que eu acompanhava só entrávamos na cidade para um City Tour ou almoço. Então resolvi conhecer melhor a cidade. Fiquei 04 dias e depois fui para Campina Grande para conhecer o São João mais famoso da Paraíba.

De João Pessoa até Campina Grande são 130 km e fiz a viagem em um confortável ônibus de linha. Cheguei na cidade de 400 mil habitantes e fui procurar um hotel. Foi loucura ir para a cidade sem uma reserva de hotel pois a cidade fica lotada, mas era dia de semana e achei um hotel no centro.

A cidade respira São João, é um mês de festa e todo dia tem show e grandes atrações. Além do palco principal com os grandes nomes do forró brasileiro, tem outros palcos distribuídos na área da festa. O local da festa fica simplesmente lotado e olha que é bem grande o espaço. São inúmeras barracas oferecendo a saborosa culinária, concurso de quadrilha, forró pé de serra para tudo que é lado e cultura, muita cultura popular nordestina.

Em Campina Grande tem o Expresso do Forró. E eu, lógico, fui conhecer a versão paraibana do trem do forró. Providenciei o meu ingresso e segui em baixo de chuva para a Estação Velha . O trem sai de Campina Grande e viaja uma hora e meia até o distrito de Galante, onde é recepcionado com mais festa. Depois de um tempo o trem volta para a cidade.

Expresso do forró em Campina Grande.

Gostei mais do trem do forró do Recife, lá eles tem uma melhor estrutura e já na estação você é contagiado pela animação e alegria. (eu fiz esta viagem já tem alguns anos - 5 ou 6 - e tudo pode ter mudado).

Tanto em Campina como em Caruaru eu fiquei 02 noites. Gostei muito mais da festa em Caruaru, eu aproveitei mais.

Pra voltar pra casa pesquisei preços de passagem aérea mas estava além do que eu podia pagar, o dinheiro já estava acabando, então o jeito foi encarar mais de 30 horas de viagem de ônibus de João Pessoa até Vitória. Cheguei cansado mas muito satisfeito.

Ainda dá tempo de aproveitar as festas juninas, o dia de São João é 24 de junho, quinta feira. Aproveite!
Tem muita festa acontecendo no nordeste, mas se você não pode ir até lá vá na festa da sua cidade, do seu bairro, da sua rua ou faça a sua festa no seu quintal ou condomínio. Reúna os amigos e comemore! 

0 comentários :