CAMINHO DO IMIGRANTE 2010.

 
Caminho do Imigrante

 
5:10 da manhã, o Luciano bate na porta do quarto me acordando. Fui dormir na casa do Luciano e Danny para aproveitar a carona de Vitória até Santa Leopoldina. Chegou o dia de fazer a caminhada. Foi a primeira vez que fiz o Caminho do Imigrante, nos anos anteriores sempre estava trabalhando e eu não podia fazer. O Caminho do Imigrante nasceu da necessidade de se ampliar o conhecimento sobre a História da imigração no Estado, fazendo o mesmo trajeto percorrido pelos camponeses imigrantes quando chegaram aqui no inicio do século XIX.

 

"Na manhã seguinte, bem cedo, Lopes reuniu o grupo e o embarcou em grandes canoas, com destino a Porto do Cachoeiro. Durante algum tempo as canoas cortaram as águas no fundo da baía, alcançaram a foz do Santa Maria e começaram a subir o rio (...) ". Karina, Pagina 26.

 
 
 
Caminho do Imigrante

E foi pelo que li no livro Karina, que eu pesando 110 kg e totalmente sedentário resolvi fazer o Caminho do Imigrante. Quis percorrer o trajeto dos personagens e assim ir lembrando das histórias deste livro de autoria de Virgínia G. Tamanini. Com 221 páginas o livro conta a história de famílias que saíram da Itália e vieram para o Brasil em busca de terra e ouro. Chegaram a Vitória e subiram pelo rio Santa Maria até Porto do Cachoeiro,  que hoje tem o nome de Santa Leopoldina, para construção de uma estrada.


Caminho do Imigrante

Chegamos a Santa Leopoldina, eu e Luciano fomos providenciar o kit com camiseta e boné.

Caminho do Imigrante

Na praça da cidade, onde foi a concentração do grupo , havia festa, muita gente e estava sendo servido o café da manhã.

 

"(...). Em Cachoeiro recebemos mantimentos, ferramentas e já na madrugada seguinte pusemo-nos em marcha. Havia chovido e o barro dificultava nossa caminhada pela mata. "Karina, Página 26.

 
 
Caminho do Imigrante
 
 

"Num desvão da mata, no começo da serra. Lopes nos fez parar e explicou que ali acamparíamos por algum tempo. A estrada a ser aberta começaria naquele ponto. (...)" Karina, página 26.

 Caminho do Imigrante

Porto de Cachoeiro, desculpe, Santa Leopoldina foi ficando para trás.


 

Nós estávamos no grupo de trás, fomos devagar aproveitando para observar o caminho onde tudo era novidade, a paisagem, os tipos de pessoas que fazem uma caminhada dessa, e a estrutura oferecida ...

 

Caminho do Imigrante
 
 
 
Caminho do Imigrante
 
 
Caminho do Imigrante
 
 
"Uma cruz marcou a sepultura. Para Giácomo Fardini a vida parara ali, à sombra daquela cruz e daquelas matas(...)," Karina, página 49.
 
Caminho do Imigrante
 
 

Caminho do Imigrante

Olha o estilo dos andarilhos experientes.

Em determinado trechos havia muitos carros e pessoas que chegavam a atrapalhar. Tudo bem que no trajeto do Caminho do Imigrante, existem moradores e precisam circular, mas além deles estavam ali outras pessoas de carro para ver a caminhada e com isso atrapalhavam.


 

Caminho do Imigrante


A chuva da noite anterior provocou muita lama no caminho, mas não chegou a atrapalhar. As pessoas que fizeram a caminhada nos anos anteriores disseram que com calor e a poeira o caminho fica pior.


Caminho do Imigrante


Os primeiros 5 km foram de subida. Não sei porque, mas eu pensei que o caminho fosse mais plano, Mesmo tendo lido o livro e sabendo que é uma região serrana. Talvez eu imaginei um caminho que atendesse a minha condição física.
 
"(...). Minha mente fazia seus comentários: Pois não queriam matas? aí estão. Não queriam terras? aí estão. Não queriam ouro? Ah, o ouro ... Ganharás o pão com o suor do teu rosto. E não colhendo ouro no chão. (...)." Karina, página 31.

 
 

Caminho do Imigrante
Pelo menos não era o último.


Quando chegamos ao primeiro poio, queríamos água mas para a nossa surpresa não tinha água. A salvação foi uma bica que tinha no caminho.


Caminho do Imigrante


Depois tivemos uma trégua na subida e andamos um pouco no plano até o próximo ponto de apoio onde fomos recebidos com água, frutas e música.


Caminho do Imigrante


Com as energias revigoradas, voltamos à caminhar. Afinal de contas foram 6 km, e temos mais 24 km pela frente e para cima.


 

Caminho do Imigrante
 
 
 
"E nesses rústicos refúgios do homem, apesar da completa falta de conforto, havia alegria, humor, vida normal. (...)," Karina, página 38.

 

Caminho do Imigrante

 
"Pudera! Estamos subindo sempre, desde o ponto em que a estrada começou, e este veio nascer grota sombria, lá onde você vê aquela quaresmeira." Karina, página 51.

 
Caminho do Imigrante

 
"(...). Sua água tão clarinha, à medida que cai, sempre mais leve e espumante, até bater lá no fundo, desfeita em tufos de borrifos brancos, dando a ilusão de um bonito véu de noiva. (...)" Karina, página 50.


Caminho do Imigrante


Mas o cansaço foi tomando conta de mim, e então eu fui ficando cada vez mais distante do grupo.

 
 
Caminho do Imigrante


E depois de 15 km não teve jeito, tive que fazer uso do carro de apoio para continuar. Foram só 3 km de carona, mas pelo que vi valeu a pena, pois o caminho era muito íngreme. No km 18 estávamos todos juntos novamente. A partir deste ponto começava uma trilha e o carro não poderia passar. Mas tenho que confessar que só continuei pois não sabia da distância que tinha pela frente. Uns falavam que eram 4 km, outros 2,5 km e alguns acreditavam que eram 9 km. Preferi acreditar que eram somente 4 km e com isso caminhei mais 12 km. Neste ponto não tinha ninguém da organização para informar qualquer coisa e ajudar no que fosse preciso.


Caminho do Imigrante

Para que lado eu vou? Mas uma vez não tinha ninguém e nem Sinalização.



Durante o percurso vi muitos copos descartáveis pelo chão, Mesmo tendo várias caixas de lixo pelo caminho. Tem gente que nunca vai aprender, e participam desses eventos sem a menor noção de como se comportar, não prestam atenção onde estão e aí gritam, jogam lixo, agridem o meio ambiente e incomodam os moradores Locais. Mas pude ver também gente totalmente consciente que durante a caminhada foi recolhendo o lixo jogado.
 
Já na região urbana de Santa Teresa, no caminho para o local de chegada, pude ver pessoas com traje típico. O que fez acreditar que estava tendo apresentações de danças na acolhida dos participantes. Mas quando chegamos já havia terminado. Poderiam ter esperado a chegada de todos e assim fazer uma acolhida para todo mundo e não só para os primeiros "colocados". Achei também pouco envolvimento da comunidade local com o evento. Talvez as pessoas que estavam no início tiveram uma outra impressão.


"Nada melhor que um naco de polenta quente, com leite e café, para aquecer a gente - comentou Landa, engolindo o primeiro bocado. - Será que aonde vamos encontraremos fubá?"
Karina, página 50.

Finalmente chegamos e pudemos saborear uma deliciosa polenta. Eu estava cansado, mas muito Satisfeito de ter concluído o trajeto ou pelo menos quase todo, e conhecido essa região do meu estado.

 

Caminho do Imigrante


 
Bom gente é isso aí, o Caminho do Imigrante acontece todo 1 º de maio revivendo o caminho feito pelos camponeses imigrantes, que em 1919 foi ampliado e se tornou a primeira estrada de automóveis do Estado. Para quem pretende fazer a caminhada, vão aí algumas observações:


*Converse com alguém que já tenha feito.
*Não jogue lixo no caminho.
*Leve sacolas para juntar o seu lixo.
*Use protetor solar.
*Use tênis confortável.
*Leve uma garrafinha de água.
*Evite falar durante o caminho e observe mais o lugar.
*Respeite o morador local.
*Não agrida a natureza cortando galhos das arvores pelo caminho.
*O caminho é bastante íngreme.

5 comentários :

  1. Marcelo, pessoas como você são raras. Raras por viverem intensamente suas emoções e, acima de tudo, compartilhar tamanha dedicação à felicidade. Ler seus relatos me faz ter a certeza de que devemos sair da inércia urbana!
    Marise

    ResponderExcluir
  2. Meu grande amigo.. ficou ótimo seu novo site, isto mesmo, ele é ótimo de ler e vivenciamos nele as coisas que você conta.. quero mais viagens e mais história. Vamos combinar uma viagem juntos, imagina vc e o casal de Baixinhos é diversão garantida! E a copa vem com a gente né?

    ResponderExcluir
  3. Obrigado mninhas amigas pelo carinho.
    Marise, que bom que vc tá lendo o meu blog.
    Danny, é só combinar a viagem.

    Marcelo.

    ResponderExcluir
  4. que demais. acabei de ler este livro e amei. quantas horas demora pra fazer esse caminho? ele tem exatamente qtos km?? um dia queria fazer!!!!

    adorei vc referenciando o livro com o caminho!

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Melissa, que bom receber a sua visita. Demorei em responder pois estava viajando e o blog ficou meio abandonado.
      São 30 km em um caminho bem interessante, mas com subidas que me deixaram bem cansado. Mas eu não sou referencia pois não tenho preparo físico.
      Quanto ao tempo para fazer o caminho, vai depender muito de cada pessoa. Mas independente do tempo, faça um dia. Você vai gostar.

      Excluir